PS vê Alberto João Jardim em "desespero eleitoral"

A porta-voz socialista considerou hoje que o histórico chefe de Governo madeirense Alberto João Jardim está em "desespero eleitoral", comentando o discurso daquele protagonista durante o XVII Congresso Regional do PSD, no Funchal.

À Agência Lusa, Maria Antónia Almeida Santos afirmou que "as declarações de Alberto João Jardim manifestam um certo desespero eleitoral, o que o levou a dizer o contrário daquilo que pensa", referindo-se às próximas eleições regionais na Madeira, agendadas para 22 de setembro.

"Ainda recentemente fazia grandes elogios a António Costa e ao seu Governo. Manifestava grande respeito e admiração pelo primeiro-ministro e reconhecia de forma inequívoca o sucesso da governação de António Costa", disse.

Na véspera, o presidente honorário do PSD/Madeira afirmara que o chefe do Governo, António Costa, é o "adversário" da autonomia e aconselhou os dirigentes sociais-democratas a "internacionalizar" a questão.

"Não há dúvida que há aqui algum desespero que o leva a dizer o que não pensa, temos de concluir. De modo que há aqui uma transformação neste Alberto João Jardim que é um bocadinho difícil de entender num homem e político tão experiente, que esteve à frente do Governo Regional tantos e tantos anos", declarou a deputada socialista.

Alberto João Jardim, na sua intervenção, referiu-se a Costa como "número dois de José Sócrates" e sublinhou que o primeiro-ministro "não é estadista", mas apenas "um homem do aparelho" e um "partidocrata".

"Não consigo entender, a não ser, de facto, que esteja a sentir uma ameaça real ao estado de anos e anos e anos de governação do PSD na Madeira", acrescentou Maria Antónia Almeida Santos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.