PS fala de dia histórico com lei da nacionalidade mais equilibrada

O PS sublinhou hoje a importância da aprovação das alterações à lei da nacionalidade, considerando que se trata de um "dia histórico" porque foi aprovada uma legislação "mais equilibrada e mais próxima dos anseios e necessidades" destas comunidades.

O parlamento aprovou hoje, com a maioria de esquerda e o PAN, uma alteração à lei que alarga o acesso à nacionalidade originária e à naturalização às pessoas nascidas em território nacional.

"Podemos dizer com bastante o orgulho que é um dia histórico para o parlamento, é um dia histórico para as comunidades e penso que é um dia também em que o associativismo e a forma como dialogou com o parlamento se revelaram numa lei mais equilibrada, mais garantística e acima de tudo mais próxima dos anseios e das necessidades destas populações", disse o deputado do PS Pedro Delgado Alves aos jornalistas, em declarações no final da votação.

Pedro Delgado Alves sublinhou a "importância da votação que teve lugar esta manhã", que conclui "um processo de revisão da lei da nacionalidade que corresponde ao cumprimento de uma medida fundamental que se encontrava no programa eleitoral do PS e no programa do Governo".

"Há muito tempo que as associações representativas dos migrantes que residem entre nós reivindicam e sublinhavam a importância de ser agilizado o processo, reduzida a carga burocrática no acesso à nacionalidade", recordou.

Na opinião do deputado socialista foram "alterados muitos dos requisitos que permitem hoje a quem nasça em Portugal, desde que os seus pais residam legalmente no território nacional, aceder à nacionalidade originária".

"Hoje, fruto de um trabalho de vários meses, e que permitiu um consenso entre o PS, o PCP, o BE e o PAN, foi aprovada a revisão da lei da nacionalidade, que entre outras coisas corresponde às melhores práticas nesta matéria e corresponde também a uma aspiração de há muitos, muitos anos destas comunidades", enalteceu.

A lei da nacionalidade portuguesa, em 2006, representou, de acordo com Pedro Delgado Alves, "um marco substancial que elevou os patamares de exigência e colocou Portugal na linha da frente das melhores respostas à integração dos migrantes".

"Hoje damos um passo acrescido, aprendendo daquilo que foram estes 12 anos, aprendendo daquilo que foram os pedidos que nos foram formulados", disse.

Na votação eletrónica que se realizou hoje no plenário, exigida pela Constituição, registaram-se 118 votos a favor, 16 contra e 79 abstenções. A favor votaram o PS, PCP, BE, PEV e PAN, o CDS-PP votou contra e o PSD absteve-se.

A alteração à lei teve por base projetos de lei do PSD, BE, PCP, PS e PAN, que retiraram os seus projetos a favor do texto de substituição discutido em comissão.

A bancada do PSD, que propunha conceder a nacionalidade até à terceira geração de descendentes de portugueses, manteve o seu projeto de lei, que foi a votos e acabou por ser 'chumbado' com os votos do PS, PCP, BE e PEV. PSD e PAN votaram a favor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?