PS e CDU mantêm desacordo para eleição do presidente da CIM do Alentejo Central

Mais de dois meses depois das autárquicas de 01 de outubro, a eleição do presidente da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC) mantém-se num impasse, com divergências entre os autarcas do PS e da CDU.

Numa reunião do conselho intermunicipal, realizada esta semana, ocorreu uma votação para a presidência da CIMAC em que o candidato do PS alcançou oito votos contra seis do candidato da CDU, revelaram hoje à agência Lusa fontes partidárias.

As mesmas fontes indicaram que o candidato do PS é o autarca socialista de Reguengos de Monsaraz, José Calixto, e que o candidato da CDU é o presidente da Câmara de Évora, o comunista Carlos Pinto de Sá.

Nas últimas eleições autárquicas, o PS reconquistou o maior número de câmaras no distrito de Évora, seis, à frente da CDU, que ficou reduzida a cinco, incluindo Évora, enquanto os outros três municípios mantêm-se nas "mãos" de movimentos independentes.

"Os resultados [da eleição para a CIMAC] quanto ao presidente e aos vice-presidentes são inconclusivos", afirmou à Lusa o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá (CDU), alegando que "não se verificaram as duas maiorias cumulativas, como determina a lei".

Na eleição, segundo o autarca comunista, "oito câmaras, as seis do PS e as de Borba e Redondo, lideradas por movimentos independentes, votaram no candidato socialista e os restantes municípios, que tem a maioria de eleitores, votaram no candidato da CDU".

Pinto de Sá sublinhou que, para a eleição do presidente da CIMAC, a lei exige uma "maioria simples de câmaras" e uma outra relacionada com o "número de eleitores", concluindo que, assim, "não é possível eleger o presidente" e que será necessário "encontrar soluções" na próxima reunião do conselho intermunicipal, marcada para o dia 19 deste mês.

Também em declarações à Lusa, o presidente da Câmara de Reguengos de Monsaraz, o socialista José Calixto, defendeu que os autarcas devem "fazer um esforço para ter pareceres" sobre a interpretação da legislação, adiantando que os do PS "tencionam fazê-lo".

"Parece-me ser uma via para tentar esclarecer um imbróglio que tem a ver com o facto de haver uma votação e que, aparentemente, não queremos tirar consequências administrativas do resultado", afirmou.

O autarca socialista disse esperar que "as entidades possam ajudar a dizer qual o caminho a seguir", admitindo pedir pareceres à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA) e ao Governo.

"Para não perdermos todo o capital de consenso que a CIMAC sempre teve, assumimos que os critérios eram os mesmos dos outros ciclos eleitorais", considerou, insistindo que a força política que tem o maior número de câmaras deve apresentar o presidente.

A CIMAC foi liderada nos últimos quatro anos pela presidente da Câmara de Montemor-o-Novo, Hortênsia Menino (CDU).

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.