Província da Lunda Sul tem o governador mais jovem de sempre em Angola

A província angolana da Lunda Sul é liderada pelo mais jovem governador de sempre em Angola, após Daniel Félix Neto, 39 anos, ter sido nomeado hoje para o cargo pelo Presidente João Lourenço.

Daniel Neto, que até hoje desempenhava as funções de administrador municipal de Saurimo, nomeado em dezembro de 2017, assume os destinos da província que se debate com problemas de energia elétrica e falta de emprego, escreve a agência noticiosa angolana Angop.

O novo governador nasceu a 11 de junho de 1979, no município do Cacolo (Lunda Sul), e exerceu, entre várias funções, as de primeiro secretário municipal da JMPLA, de 2014 até maio de 2018, e de primeiro secretário do comité municipal do MPLA em Saurimo.

O ciclo de governação desta parcela do território angolano iniciou-se com Celestino Figueiredo Chinhama "Faísca", que governou de 1978 a 1981 na qualidade de comissário político.

Seguiram-se José César Augusto "Kiluange" (1981-1983), Luís Doukui Paulo de Castro (1983-1986), Rafael Sapilinha Sambalanga (1986-1988), Graciano Mande (1988-1991), José Manuel Salukombo (1991-1992), Gonçalves Manuel Muandumba (1992-1998).

Fazem ainda parte da lista de governadores provinciais Francisco Sozinho Chiuissa (1999-2003), Marcial Miji Satambi Kalumbi Itengo (2003-2008), Cândida Maria Guilherme Narciso (2008-2016) e Ernesto Fernando Kiteculo, nomeado em setembro de 2017.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.