Projeto para melhorar eficiência dos edifícios avança na Figueira da Foz

O município da Figueira da Foz vai desenvolver um projeto pioneiro que pretende melhorar a eficiência energética e ambiental dos edifícios, através de um Laboratório Vivo para a Descarbonização, que foi hoje apresentado.

Segundo a autarquia, o projeto 100% Green "representa a criação de um Laboratório Vivo que pretende cocriar cidades mais inovadoras, sustentáveis, inclusivas e resilientes, com vista a melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e das comunidades".

A solução "não só melhora a eficiência energética e promove a integração de energias renováveis nos edifícios, como também valoriza e converte as emissões destes (por exemplo CO2, partículas e CO) em biomassa microalgal, através de fotobiorreatores que funcionarão como biofiltros, para melhorar o desempenho ambiental dos edifícios", explica.

"Por sua vez, a biomassa microalgal será valorizada como energia alimentar para aquacultura, otimizando-se logisticamente a atividade de tráfico de fretes urbanos com esta tipologia de soluções tecnológicas", acrescenta.

A autarquia acredita que o projeto 100% Green "representa o nascer de uma nova realidade para os edifícios".

Neste projeto, o município terá como parceiros tecnológicos de desenvolvimento da solução a Associação BLC3 - Campus de Tecnologia e Inovação, o Laboratório Nacional de Energia e Geologia e a COMPTA.

O projeto tem também com um parceiro local o Pescódromo de Lavos, onde serão realizados testes em aquacultura.

Segundo a autarquia, "o Laboratório Vivo será um espaço interativo que permitirá à sociedade local, aos visitantes e turistas o contacto com a tecnologia" e, ao mesmo tempo, adquirirem "conhecimento para alterarem os seus comportamentos e ações em prol da descarbonização".

É seu objetivo também desenvolver atividades com as escolas e promover atividades de divulgação.

O projeto será desenvolvido em duas fases, sendo que, na primeira, será efetuado o projeto de pormenor, e, na segunda fase, a intervenção e implementação, estando previsto um investimento de 500 mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.