Projeto para criação de residências para artistas é apresentado quinta-feira em Lisboa

A diretora de 'casting' Patrícia Vasconcelos e o fadista Camané contam-se entre os fundadores da associação Mansarda que quinta-feira apresenta, em Lisboa, o projeto de criação de uma residência para artistas, desenhada por Carrilho da Graça, foi hoje anunciado.

O ator Miguel Guilherme, o coreógrafo Jorge Salavisa e o escritor Rui Cardoso Martins contam-se entre os fundadores da associação e projeto Mansarda, que pretende ser "uma janela para artistas".

Criada em 2014, por iniciativa de Patrícia Vasconcelos, a associação Mansarda dá agora um novo passo na tentativa de concretizar o projeto encontrando-se a angariar donativos para a criação da residência.

O projeto já tem apoios institucionais de entidades como o Coliseu dos Recreios, da Fundação Calouste Gulbenkian, da SP Televisão e da Força de Produção, entre outras.

O coreógrafo Rui Horta, as jornalistas Maria Flor Pedroso, diretora de informação da RTP, e Anabela Mota Ribeiro, o músico Francisco Varatojo, o designer Henrique Cayatte, o ex-ministro da Cultura José António Pinto Ribeiro e o repórter fotográfico António Pedro Ferreira constam também da lista de fundadores da associação.

A Mansarda também pretende incentivar a interação entre gerações, através da partilha de conhecimentos e experiências, estimulando a criação artística.

Idealizada por Patrícia Vasconcelos e mais perto de 20 pessoas ligadas às artes, o projeto ambiciona ser "uma janela, um espaço de prolongamento da cada um e do bem-estar para a classe artística, tornando a vida dos artistas mais cómoda e iluminada".

A apresentação do projeto da residência Mansarda conta com a participação do presidente da Câmara de Lisboa que, segundo a associação, "dará testemunho do empenho e colaboração da autarquia" na procura de uma solução para que a Mansarda nasça em Lisboa.

"Quando a vida nos troca as voltas" é um dos motes da Mansarda que tem como principal objetivo "criar, gerir e apoiar uma ou mais residências para acolher, em regime de alojamento temporário ou permanente, pessoas que estejam ou tenham estado ligadas ao mundo da língua, arte e cultura portuguesas, e especialmente às artes performativas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.