Projeto "Chaves em linha" aplica 835 mil euros para reduzir burocracia na câmara

A Câmara de Chaves anunciou hoje um investimento de 835 mil euros para a implementação de um projeto que visa eliminar os papéis nos serviços, simplificar procedimentos e reduzir a burocracia para os cidadãos.

O "Chaves em linha" pretende, segundo explicou a autarquia, o acesso direto aos serviços municipais por parte dos munícipes, simplificar e reduzir a burocracia existente entre a administração pública e os cidadãos.

A câmara referiu, em comunicado, que a implementação deste projeto permite reorganizar e capacitar os serviços municipais através da utilização de novas soluções na área das tecnologias de informação, proporcionando a disponibilização de formulários 'online' (preenchimento e submissão), mobilidade, digitalização documental, modelos descentralizados de atendimento e melhoria da eficiência dos processos administrativos.

"Ao disponibilizar serviços públicos eletrónicos mais inclusivos e intuitivos, no acesso e consulta, torna-se possível a resolução de múltiplas situações, sem necessidade de deslocação", salientou a autarquia.

O município acrescentou que "este sistema de dados garante a substituição dos tradicionais processos em formato papel pelos digitais, aumentando a eficiência de recursos e a redução dos custos adjacentes ao método tradicional de atendimento".

O "Chaves em linha" é financiado pelo Norte 2020.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.