Programa de Alimentação Saudável melhorou indicadores de saúde na região Centro

O Programa da Alimentação Saudável da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) permitiu melhorar vários indicadores de saúde nos 76 municípios abrangidos, disse hoje à agência Lusa a coordenadora regional.

"Éramos das piores regiões em termos de indicadores de saúde relacionados com excesso de sal, gorduras e açúcares e com este programa melhorámos bastante, o que quer dizer que estamos no bom caminho", salientou Ilídia Duarte.

Segundo a coordenadora regional do programa, o projeto "minorsal.saúde", em vigor há 10 anos, tem contribuído para a diminuição da ingestão de sal e para uma alimentação mais equilibrada, através das iniciativas "pão.com", que envolve 1.002 padarias, e "sopa.come", que abrange 1.277 unidades de confeção alimentar.

Mais de 71% das padarias envolvidas reduziu os valores de sal para igual ou inferior a um grama por 100 gramas de pão e 44,8% conseguiu mesmo baixar para igual ou menos de 0,8 grama por 100 gramas de pão.

"Em 10 anos deste projeto realizámos 8.351 análises e envolvemos 2.000 profissionais de panificação", sublinhou Ilídia Duarte.

Na iniciativa "sopa.come", mais dirigido para a população estudantil, o programa regional abrange 1.047 escolas do 1.º, 2.º e 3.º ciclo e 130 mil crianças e 70 mil pessoas do corpo docente e não docente.

O Programa Regional da Alimentação Saudável inclui ainda os projetos "vending.saude", que visa melhorar a oferta alimentar das máquinas de venda automática e "tãodoce.não", cujo objetivo é promover a diminuição do consumo de açúcares de absorção rápida na população da região Centro, nomeadamente intervindo nas indústrias de pastelaria e similares.

Para facilitar a implementação destes projetos junto dos cidadãos, a ARSC tem estado a assinar protocolos de colaboração com os municípios, de modo a "facilitar a implementação de estratégias de intervenção comunitária, nomeadamente nos consumos alimentares de sal, açúcar, gorduras, fibras alimentares, água e prática de atividade física".

Na tarde hoje, mais sete municípios da região assinaram protocolos de colaboração e, segundo Ilídia Duarte, dentro em breve outros seis vão também aderir.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.