Prisão preventiva para dois homens por furto qualificado em Évora

O Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Évora determinou a prisão preventiva de dois homens, de 31 e 33 anos, indiciados pela prática de dois crimes de furto qualificado, na cidade alentejana, foi hoje divulgado.

A medida de coação mais gravosa foi aplicada, na quarta-feira, após primeiro interrogatório judicial dos dois arguidos, divulgou hoje o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora na sua página de Internet.

Segundo o DIAP de Évora, os dois homens são suspeitos de terem furtado do interior de dois automóveis "bens e valores num total que ascende a mais de 3.500 euros", utilizando o método de arrombamento.

De acordo o DIAP, os factos ocorreram na terça-feira de manhã, na via pública, em Évora, tendo os arguidos sido detidos, em flagrante delito, pela PSP.

No comunicado, pode ler-se que o juiz decidiu aplicar aos arguidos a medida de coação de prisão preventiva por considerar que se verificam "perigos de continuação da atividade criminosa, de perturbação da ordem e tranquilidade públicas e de fuga".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...