Príncipe consorte da Dinamarca acusa rainha de lhe faltar ao respeito

O príncipe consorte Henrique da Dinmarca acusou hoje a mulher, a rainha Margarida, de lhe faltar ao respeito por não ter feito eco da sua reclamação em equiparar a sua posição para poder receber o título de rei.

"A minha mulher não me deu o respeito que uma mulher normal deve dar ao seu cônjuge. Falhei", afirmou Henrique, numa entrevista exclusiva à revista Se og Hor, que publicou hoje alguns fragmentos do texto que será publicado na quarta-feira.

As declarações do príncipe, de 83 anos e que em janeiro do ano passado abandonou as suas obrigações como consorte para se se retirar para segundo plano, foram proferidas dias depois de a Casa Real confirmar que os seus restos mortais não ficaram junto aos da sua mulher no túmulo construído na catedral de Roskilde (este da Dinamarca).

Segundo explicou então o porta-voz da instituição, Lene Balleby, a decisão de Henrique obedece à conhecida insatisfação deste sobre o seu papel na família real e com o seu título, embora venha a ser enterrado na Dinamarca, num lugar ainda por determinar.

"É ela que se ri de mim. Não me casei com a rainha para ser enterrado em Roskilde (onde repousam os reis dinamarqueses desde há séculos). A minha mulher decidiu que quer ser rainha e isso deixa-me feliz. Mas como pessoa, se um homem e uma mulher estão casados, são iguais", acrescentou o príncipe consorte.

Henrique, com quem Margarida está casada desde 1967 depois de o ter conhecido enquanto diplomata de origem francesa em Londres, afastou um eventual divórcio e sublinhou o amor que existe entre o casal.

A entrevista foi concedida na semana passada no seu castelo em Caix (Sul de França), antes de Margarida se juntar para passarem uns dias de férias juntos.

A Casa Real dinamarquesa segue a tradição de outros países europeus, que não outorgam o título de rei ao marido da rainha, mas somente o de príncipe consorte, um papel em que Henrique nunca se sentiu cómodo, o que originou reclamações constantes, o que levou a várias piadas nos media dinamarqueses.

Em 2002, a Casa Real ficou constrangida depois de Henrique ter partido para o seu retiro francês depois de num evento de Ano Novo, estando a rainha doente, o príncipe herdeiro Frederico foi escolhido como anfitrião.

Isso fez com que o príncipe consorte se sentisse "inútil" e "relegado", o que levou a que não marcasse presença no casamento de Guilherme e Máxima de Holanda.

Os rumores de divórcio, a luta pelo poder ou depressões terminaram uns meses depois, com uma sessão fotográfica da família, embora Henrique não tenha conseguido evitar o nome de "príncipe chorão" na imprensa cor de rosa.

Em 2015, Henrique da Dinamarca protagonizou mais outro episódio polémico, quando se ausentou dos seus atos no 75.º aniversário da rainha alegando ter gripe, embora poucos dias depois tenha partido em férias em Veneza com amigos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.