Principal partido da oposição em Moçambique elege novos órgãos

A Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição em Moçambique, elegeu na sexta-feira a comissão política e o conselho nacional, disse à Lusa fonte partidária.

O número de membros aumentou em ambos os órgãos: a comissão política passa a ter 15 membros, mais cinco que anteriormente, enquanto que o conselho nacional passa a integrar 120 membros, ou seja, mais dez.

"O aumento no número de membros tem em vista albergar mais províncias nos órgãos", disse à Lusa José Manteigas, porta-voz da Renamo, no fim dos trabalhos do 6.º Congresso do partido na Gorongosa, Sofala, centro de Moçambique.

O secretário-geral da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição, vai ser eleito na próxima reunião do Conselho Nacional, ainda sem data, sob proposta do presidente do partido, Ossufo Momade, eleito na quinta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.