Primeiro-ministro israelita diz que visita ao Chade marca "avanço histórico"

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, qualificou hoje como um "avanço histórico" a sua visita ao Chade, país africano de maioria muçulmana com o qual Israel se prepara para retomar relações, avançou o seu gabinete.

Antes da partida, Netanyahu afirmou que visita "a um enorme país muçulmano, na fronteira com a Líbia e o Sudão, marca um avanço histórico", segundo um comunicado divulgado pelo seu gabinete.

"Esta visita integra-se na revolução que estamos a travar no mundo árabe e muçulmano, que eu prometi realizar", sublinhou o primeiro-ministro.

Netanyahu adiantou ainda que a sua visita ao Chade trará "boas notícias", referindo-se a um possível restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países, que o Chade tinha quebrado em 1972.

"Tudo isto irrita o Irão e os palestinianos, que tentam impedi-lo [aproximação com os países árabes ou muçulmanos], mas não terão sucesso", exclamou.

Esta visita, que deverá durar apenas um dia, segue-se à do Presidente do Chade, Idriss Déby Itno, a Israel, em novembro.

Netanyahu anunciou na altura a sua intenção de restabelecer das relações diplomáticas com o Chade, um país com cerca de 15 milhões de habitantes, durante a sua viagem à capital do Chade, N'Djamena.

Netanyahu está empenhado numa campanha para estabelecer ou renovar laços com países, incluindo em África, que se recusam a reconhecer Israel, ou que se distanciaram na sequência do conflito com a Palestina.

Em novembro, Benjamin Netanyahu e Idriss Déby Itno recusaram-se a dizer se as suas discussões incluíam acordos de armamento. O Chade é um dos Estados africanos envolvidos na luta contra os grupos extremistas Boko Haram e Estado Islâmico na África Ocidental.

Nesse mesmo mês, recebeu veículos e navios militares no valor de 1,3 milhões de dólares (cerca de 1,15 milhões de euros) dos Estados Unidos, o principal aliado de Israel.

A pressão das nações muçulmanas africanas, acentuada pelas guerras israelo-árabes de 1967 e 1973, levou alguns Estados africanos a romper com Israel.

Mas, nos últimos anos, Israel tem oferecido oportunidades de cooperação em áreas que vão desde a segurança à tecnologia e à agricultura, para desenvolver as suas relações no continente africano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.