Primeiro-ministro israelita diz que visita ao Chade marca "avanço histórico"

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, qualificou hoje como um "avanço histórico" a sua visita ao Chade, país africano de maioria muçulmana com o qual Israel se prepara para retomar relações, avançou o seu gabinete.

Antes da partida, Netanyahu afirmou que visita "a um enorme país muçulmano, na fronteira com a Líbia e o Sudão, marca um avanço histórico", segundo um comunicado divulgado pelo seu gabinete.

"Esta visita integra-se na revolução que estamos a travar no mundo árabe e muçulmano, que eu prometi realizar", sublinhou o primeiro-ministro.

Netanyahu adiantou ainda que a sua visita ao Chade trará "boas notícias", referindo-se a um possível restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países, que o Chade tinha quebrado em 1972.

"Tudo isto irrita o Irão e os palestinianos, que tentam impedi-lo [aproximação com os países árabes ou muçulmanos], mas não terão sucesso", exclamou.

Esta visita, que deverá durar apenas um dia, segue-se à do Presidente do Chade, Idriss Déby Itno, a Israel, em novembro.

Netanyahu anunciou na altura a sua intenção de restabelecer das relações diplomáticas com o Chade, um país com cerca de 15 milhões de habitantes, durante a sua viagem à capital do Chade, N'Djamena.

Netanyahu está empenhado numa campanha para estabelecer ou renovar laços com países, incluindo em África, que se recusam a reconhecer Israel, ou que se distanciaram na sequência do conflito com a Palestina.

Em novembro, Benjamin Netanyahu e Idriss Déby Itno recusaram-se a dizer se as suas discussões incluíam acordos de armamento. O Chade é um dos Estados africanos envolvidos na luta contra os grupos extremistas Boko Haram e Estado Islâmico na África Ocidental.

Nesse mesmo mês, recebeu veículos e navios militares no valor de 1,3 milhões de dólares (cerca de 1,15 milhões de euros) dos Estados Unidos, o principal aliado de Israel.

A pressão das nações muçulmanas africanas, acentuada pelas guerras israelo-árabes de 1967 e 1973, levou alguns Estados africanos a romper com Israel.

Mas, nos últimos anos, Israel tem oferecido oportunidades de cooperação em áreas que vão desde a segurança à tecnologia e à agricultura, para desenvolver as suas relações no continente africano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.