Primeira longa-metragem de Filipa César em exibição no MoMA em Nova Iorque

"Spell Reel", a primeira longa-metragem da cineasta portuguesa Filipa César, estreia-se nos Estados Unidos, no Museu de Arte Contemporânea de Nova Iorque (MoMA), a 27 de junho, onde ficará em exibição até 02 de julho.

Um dia antes da estreia, Filipa César será a anfitriã de uma noite no MoMA, em que serão projetadas várias curtas-metragens escolhidas pela realizadora, a par de uma conversa com o programador do Seminário Flaherty, Nuno Lisboa, e com a curadora adjunta do Departamento de Filme do museu, Sophie Cavoulacos.

O filme "Spell Reel", que foi estreado no Festival Internacional de Cinema de Berlim, em fevereiro, usa imagens de arquivo da guerra da independência da Guiné-Bissau, para explorar como estes registos influenciam a criação e legado da história de um país.

Filipa César recorre a cinema revolucionário, do acervo do Instituto Nacional de Cinema e Audiovisual da Guiné-Bissau (INCA), cuja recuperação foi possibilitada pelo instituto alemão Arsenal.

Fazem parte do arquivo o trabalho dos cineastas Sana Na N'Hada, Flora Gomes, José Bolama Cobumba e Josefina Crato, que estudaram cinema em Cuba, por iniciativa do líder da independência da Guiné-Bissau, Amílcar Cabral, e filmaram a guerra da independência e os primeiros anos de governação socialista.

Depois do golpe militar de 1980, muitos destes filmes foram perdidos e os que sobreviveram corriam o risco de desaparecer.

Durante o filme, a realizadora levanta a questão da memória, dado que muito do material sobrevivente é composto por fragmentos, mistura as imagens de arquivo com filmagens atuais, manipulando a sua escala e orientação, e mostra o vídeo da digressão pelo país, em 2014, em que muitos dos filmes originais foram mostrados ao povo guineense pela primeira vez.

"O trabalho da [Filipa] César existe na intersecção entre ficção e documentário, explorando história, local e identidade, através de narrativas pessoas e nacionais interligadas", explica o museu nova-iorquino, na apresentação do filme.

"Caracterizado por rigorosos elementos estruturais e líricos, as suas meditações multiplataformas frequentemente focam-se no colonialismo português e a libertação da Guiné-Bissau, nos anos 60 e 70", acrescenta o MoMA.

Filipa César é formada em Pintura pelas Faculdades de Belas-Artes do Porto e de Lisboa, onde concluiu a licenciatura, em 1999.

No seu percurso destaca-se a passagem pela Künstlerhaus Schloss Balmoral, em Bad Ems, e pela UDK - Universidade das Artes de Berlim, onde concluiu o mestrado, como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian.

Ganhou o prémio União Latina, em 2003, o prémio BES Photo, em 2010, participou na Bienal de Istambul (2003), no Festival Internacional de Cinema de Locarno (2005), na Trienal de Arte Contemporânea de Praga (2008), nas Bienais de Arquitetura de Veneza e de São Paulo, e na Manifesta 8, em Cartagena (2010).

Expôs nas galerias Jeu de Paume, em Paris, Maio 36, em Zurique, Espacio Distrito Cu4tro, em Madrid, Sint-Lukas, em Bruxelas, 1a space, em Hong Kong, no Centre d'Art Santa Mónica, em Barcelona, na Fundação Calouste Gulbenkian e no Museu do Chiado, em Lisboa, no Museu de Serralves, no Porto, no Musée d'Art Moderne Grand-Duc, no Luxemburgo, no Hordaland Kunstsenter, em Bergen, e no Küchenstudio, no Arsenal - Institut für Film und Videokunst e na Haus der Kulturen der Welt, em Berlim, entre outras instituições. 

Filipa César foi selecionada igualmente para o festival de Berlim em 2016, com "Transmission from the Liberated Zones", e em 2013, com "Cuba", duas curtas-metragens igualmente feitas a partir dos arquivos de cinema da Guiné-Bissau.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.