Primeira estrela Michelin em Portugal data de 1926 e a segunda chegou em 1936

O primeiro Guia Michelin ibérico, considerado uma referência mundial na qualificação de restaurantes, data de 1910, mas seria preciso esperar até 1926 para surgir a primeira distinção e mais dez anos para chegar a segunda estrela.

Na história de mais de um século do Guia Michelin em Portugal, dois restaurantes detêm o recorde de longevidade: o 'Porto de Santa Maria' (Cascais) teve uma estrela Michelin durante 25 anos (1984-2008), tantos como o 'Vila Joya' (Albufeira), que ganhou a primeira estrela em 1994 e, cinco anos depois, conquistou a segunda estrela, distinção que mantém até hoje.

O Guia Michelin nasceu em França em 1900, como uma forma de ajudar a empresa a vender pneus, promovendo deslocações de carro para hotéis e restaurantes que avaliava. Dez anos depois, surgiu a edição de Espanha e Portugal e, três anos mais tarde, uma edição única para Portugal, que, ao longo dos anos, foi tendo algumas 'intermitências', ora não sendo editada ora juntando-se com o guia espanhol.

As distinções do 'guia vermelho' são equiparadas aos 'óscares' da gastronomia e têm três categorias: uma estrela ('cozinha de grande finura, compensa parar'), duas estrelas ('cozinha excecional, vale a pena o desvio') e três estrelas ('cozinha única, justifica a viagem').

De acordo com um levantamento de Antonio e Juan Cancela, dois irmãos espanhóis que detêm uma das duas coleções integrais dos guias Michelin no mundo, o 'Santa Luzia' (Viana do Castelo) e o 'Hotel Mesquita' (Vila Nova de Famalicão) foram os primeiros restaurantes portugueses a receber a primeira distinção, em 1929, que mantiveram, ambos, durante sete anos.

Em 1936 surgiu a primeira atribuição de duas estrelas a um restaurante português, o Escondidinho (Porto), que manteve durante três anos. Depois, seria preciso esperar mais de 60 anos para o Vila Joya alcançar a mesma distinção, em 1999.

Dos restaurantes portugueses distinguidos na edição de 2018, o Henrique Leis (Almancil, 'chef' Henrique Leis) é o mais 'antigo', com uma estrela desde 2001, seguindo-se a Fortaleza do Guincho (Cascais, Miguel Rocha Vieira), desde 2002.

Atualmente, Portugal tem cinco restaurantes com duas estrelas Michelin: Vila Joya ('chef' Dieter Koschina); Ocean (Armação de Pêra, Hans Neuner); Belcanto (Lisboa, José Avillez), Il Gallo d'Oro (Funchal, Benôit Sinthon) e The Yeatman (Vila Nova de Gaia, Ricardo Costa), além de 18 restaurantes com uma estrela.

Na próxima quarta-feira, Lisboa acolhe, pela primeira vez, a gala de apresentação do Guia Michelin Espanha e Portugal, durante a qual serão anunciados quais os restaurantes que ganham, mantêm ou perdem estrelas na edição de 2019.

Durante a cerimónia, com cerca de 500 convidados, sete 'chefs' de restaurantes da região de Lisboa vão preparar um jantar: José Avillez (Belcanto, o único com duas estrelas na capital portuguesa), Henrique Sá Pessoa (Alma), Joachim Koerper (Eleven), João Rodrigues (Feitoria), Miguel Rocha Vieira (Fortaleza do Guincho), Sergi Arola (LAB) e Alexandre Silva (Loco), todos com uma estrela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.