Primárias do Partido Democrata mostram "mulheres a partirem o molde" - autarca luso-descendente

A diversidade de candidaturas à nomeação para as presidenciais norte-americanas de 2020 pelo partido democrata, com cinco candidaturas femininias, mostra "mulheres a partirem o molde", disse à Lusa Sofia Pereira, autarca luso-descendente da cidade de Arcata, Califórnia.

Entre os nove candidatos de relevo anunciados, cinco são mulheres que aspiram derrotar Donald Trump: Kamala Harris, Kirsten Gillibrand, Elizabeth Warren, Amy Klobuchar e Tulsi Gabbard.

"Tem sido incrível ver um espetro maior de mulheres candidatas", afirmou Sofia Pereira, considerando que "já era tempo" e caracterizando como "entusiasmante" a diversidade de perfis e as diferenças nas "políticas, experiências e perspetivas".

As primárias do partido democrata irão decidir quem será nomeado candidato às presidenciais do próximo ano e contam também com as candidaturas de Cory Booker, Pete Buttigieg, Julian Castro e John Delaney.

De acordo com o ranking de poder compilado pela CNN em fevereiro, Kamala Harris é a candidata com mais hipóteses de vencer a nomeação.

"Estas mulheres não estão a ser vistas como candidatas secundárias, estão a ser levadas a sério pelos media e pelos eleitores", notou Sofia Pereira.

"É uma mudança muito importante", considerou, salientando que as mulheres candidatas estão a perceber que "não têm de jogar pelas regras dos outros".

A responsável, que está a cumprir o segundo mandato como membro do conselho da cidade de Arcata, considerou que "continuará a haver desafios e padrões duplos" nestas eleições, à semelhança do que "as mulheres candidatas enfrentam" geralmente.

No entanto, analisou, o alargamento dos perfis de candidatas "será muito bom no longo prazo", uma vez que mostrará aos eleitores norte-americanos "que não há apenas um tipo de mulher que pode liderar o país".

Aos 31 anos, a luso-descendente foi 'mayor' e 'vice-mayor' e venceu duas eleições para o conselho da cidade, recordando que quando se candidatou inicialmente sentiu que tinha de se apresentar "de uma certa forma" para conseguir "ser elegível".

A discussão sobre a afabilidade das mulheres candidatas, que foi intensa em torno de Hillary Clinton, baseia-se "em termos de as mulheres saberem o seu lugar", afirmou a autarca.

"As mulheres devem podem ser elas próprias e dizer o que pensam, mesmo que isso signifique coisas desconfortáveis", considerou, mencionando o papel importante da nova representante democrata Alexandria Ocasio-Cortez e "outras mulheres" recém-eleitas, que "não estão a tentar ser afáveis" mas sim a "liderar e representar as suas comunidades".

Sofia Pereira, com raízes familiares nos Açores e na Madeira, trabalhou com a organização She Should Run em 2018 e criou um programa de treino de mulheres que se queiram candidatar a cargos públicos.

Ler mais

Exclusivos