Presidente são-tomense apela para eliminação de "zonas de sombra" na saúde

São Tomé, 24 abr 2019 (Lusa) - O Presidente são-tomense, Evaristo Carvalho, apelou hoje para "esforços conjugados" dos agentes sanitários e a cooperação dos parceiros para eliminar o que classificou como "zonas de sombra que persistem" no domínio da saúde.

"Estamos, porém, conscientes de que ainda existem desafios a enfrentar, pelo que devemos todos continuar a trabalhar para a consolidação dos resultados já alcançados e para a eliminação das zonas de sombra que ainda persistem", disse Evaristo Carvalho, na abertura oficial da Semana Africana de Vacinação e da Iniciativa para a Redução Acelerada da Mortalidade Materno e Neonatal.

O evento que decorreu na capital são-tomense contou com a presença dos representantes dos órgãos de soberania, corpo diplomático e delegações de nove países africanos.

"Estou confiante que as autoridades nacionais tudo farão para que os compromissos assumidos, quer no âmbito interno, quer no plano externo sejam cumpridos", sublinhou o chefe de Estado são-tomense.

São Tomé e Príncipe é, desde segunda-feira, a capital africana da nona edição da Semana Africana de Vacinação e da Iniciativa para a Redução Acelerada da Mortalidade Materno e Neonatal, um desafio lançado pela Comissão da União Africana e aceite pelas autoridades nacionais.

"Constitui motivo de orgulho o facto de esta nona edição ter lugar em São Tomé e Príncipe. A realização deste evento no país é o reconhecimento do forte engajamento de Estado são-tomense na melhoria do estado de saúde da população, fazendo, assim, de São Tomé e Príncipe uma referência na nossa sub-região", congratulou-se Evaristo Carvalho no seu curto discurso.

São Tomé e Príncipe é o 51.º país do continente africano a lançar a iniciativa sobre a redução da mortalidade materna e neonatal.

Evaristo Carvalho agradeceu à comunidade internacional e aos parceiros de desenvolvimento "pelo "apoio solidário nesta luta para garantir que as crianças são-tomenses sejam imunizadas".

O tema da semana, adotado para o país é: "Todos Protegidos: As vacinas Ajudam! Planeamento Familiar Reforça".

Alem do discurso de Evaristo Carvalho, o ato foi marcado igualmente por mensagens do ministro da Saúde, Edgar Neves, e dos representantes da União Africana (UA), da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef).

O Unicef garante que a cobertura vacinal em São Tomé e Príncipe ronda os 95 por cento "graças ao esforço conjugado ao longo de décadas".

São Tomé e Príncipe é um dos subscritores da 'Declaração de Adis-Abeba de 2016', em que o país se comprometeu a garantir o acesso universal à vacinação, como pedra basilar da saúde e do desenvolvimento em África.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.