Presidente da SATA destaca que renovação da frota é "investimento estratégico"

O presidente do conselho de administração da SATA sublinhou hoje o "investimento importante e estratégico" em curso na companhia aérea, com a renovação da frota A310 por A321 NEO, até 2019, escudando-se, novamente, a adiantar valores.

"Nós, neste momento, desenhamos um plano operacional em 2016, que este ano de 2017 vamos implementar, e passa por renovar a nossa frota A 310, com aviões A 321 NEO. Nós vamos já receber o primeiro ainda este ano e, depois, vai ser um processo de renovação constante da frota 310 até que, em 2019, teremos quatro novos 321 NEO", disse Paulo Menezes.

No entanto, o presidente do conselho de administração da SATA, que falava à agência Lusa à margem de uma palestra sobre os 70 anos da companhia aérea, no 'Portugal Air Summit', que decorre no Aeródromo de Ponte de Sor, no distrito de Portalegre, escusou-se a revelar o investimento que vai ser efetuado, apenas sublinhando que se trata de um investimento "importante e estratégico".

"Nós fazemos 'leasings' operacionais, estamos a falar de um investimento importante, um investimento estratégico", declarou.

Com estes novos equipamentos, Paulo Menezes assegura que a SATA vai conseguir desenvolver "uma operação mais eficiente, mais eficaz, mais fiável e mais económica".

"O ano de 2016 foi de viragem, de retoma da nossa empresa e este caminho de progresso faz-nos acreditar que o futuro é risonho", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.