Presidente alemão pede desculpa em Atenas pelos crimes nazis na Grécia

O Presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, pediu hoje desculpa pelos "horrores" cometidos durante a ocupação nazi da Grécia, mas deixou claro que o país não vê necessidade de indemnizar as vítimas da II Guerra Mundial.

"Pedimos perdão, aqui na Grécia, pelo que aconteceu. Não devemos permitir que o passado caia no esquecimento, não podemos ignorar a nossa culpa moral e política", disse Steinmeier.

O presidente alemão visitou um antigo campo de concentração nazi, de onde dezenas de dezenas de milhares de judeus foram deportados para Auschwitz, antes de se reunir com dirigentes políticos gregos na capital.

"Independentemente de termos posições jurídicas distintas, sentimo-nos na obrigação de contribuir para que não se repita o que aconteceu entre 1933 e 1945.

Steinmeier é o segundo presidente alemão a pedir explicitamente desculpa pelos crimes nazis na Grécia, depois do seu antecessor, Joachim Gauck, que em 2014 visitou a localidade grega de Dístomo, onde ocorreu um dos piores massacres da ocupação nazi.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, criou em 2015 uma comissão para calcular os danos causados pela ocupação alemã e, depois de a Grécia sair do programa de assistência financeira, recuperou o tema.

O Governo grego prevê transmitir nas próximas semanas ao plenário um relatório de 2016 dessa comissão, que avaliou em quase 300.000 euros as indemnizações devidas pela Alemanha.

"Não podemos esquecer, nem ocultar as nossas diferenças no passado. Temos de definir como vamos debatê-las no âmbito do Direito Internacional", disse hoje o primeiro-ministro grego.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.