Presença portuguesa na Green Week em Berlim tem impacto económico positivo - embaixador

O embaixador de Portugal na Alemanha considerou hoje que a presença de empresas portuguesas na Green Week (Semana Verde), em Berlim, tem um impacto económico "muito positivo".

"O impacto económico é muito positivo. Encontrei aqui vários expositores que já conhecia dos outros anos e eles não voltariam se o impacto fosse negativo", destacou João Mira Gomes, em declarações à Lusa.

Segundo o embaixador, Portugal tem vindo a marcar uma presença "consistente" no evento, desenvolvendo o interesse do consumidor alemão pelos produtos apresentados.

"Em termos de valor exportado, Portugal tem vindo a crescer todos os anos, nas áreas dos produtos que aqui são apresentados", notou.

Em visita ao 'stand' (expositor) português, João Mira Gomes referiu ainda que os empresários nacionais demonstraram "confiança" de que a presença no evento trará bons resultados e acrescentou que espera que, no próximo ano, seja possível divulgar "ainda mais produtos".

Por sua vez, o conselheiro económico da embaixada de Portugal destacou que os empresários se têm adaptado ao mercado alemão e já sabem como vender os seus produtos.

"Hoje vi aqui dois senhores que beberam garrafas de espumante, comeram quatro sandes, no final pagaram 60 euros e garantiram que marcam presença na feira todos os anos", exemplificou Pedro Macedo Leão.

Pela quinta vez consecutiva, Portugal conta com uma participação conjunta na Green Week, através da InovCluster, com o objetivo de promover o contacto com os agentes económicos do setor agroalimentar.

Entre as empresas portuguesas presentes na mostra internacional, encontram-se a Associação Nacional de Produtores de Pera Rocha, o Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Alentejo, a produtora de queijos Damar e a Beira Salgados.

No total, estão presentes na Green Week mais de mil expositores de 67 países e são esperados mais de 400 mil visitantes.

A participação portuguesa insere-se no Projeto Conjunto de Internacionalização 2016-2018, financiado pelo COMPETE 2020.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) referentes a 2015, entre os principais produtos exportados de Portugal para o mercado alemão destacam-se as bebidas, líquidos alcoólicos e vinagres (48,1 milhões de euros), frutas (34,9 milhões de euros) e preparações de produtos hortícolas (29,8 milhões de euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?