Portugueses lançam plataforma online e aplicação para avaliar eliminação da hepatite C

A Universidade Católica Portuguesa vai lançar uma plataforma online e uma aplicação móvel para avaliar o impacto das políticas de saúde pública na eliminação da hepatite C.

Segundo um comunicado hoje divulgado, a apresentação destas ferramentas será feita na Cimeira Mundial das Hepatites, que hoje começa em São Paulo.

A plataforma online e a aplicação móvel foram desenvolvidas por um consórcio universitário liderado por portugueses e podem ser acedidas por políticos, médicos, investigadores, ativistas e doentes.

"A ferramenta demonstra dados epidemiológicos da doença a nível mundial e local, formas de transmissão e de prevenção, os quais conjugados com a análise atual de 24 políticas e o seu peso são a base dos dados processados num algoritmo matemático que calcula a probabilidade de se atingir a eliminação da hepatite C em cada país", refere o comunicado da Universidade Católica.

Na primeira fase do projeto, o algoritmo da plataforma e da aplicação inclui as informações disponíveis em Portugal e "debita o resultado da probabilidade de eliminação [da hepatite C] para Portugal até 2030".

"O utilizador, ao aceder ao site, visualiza imediatamente e de forma gráfica o impacto que as políticas atuais têm no cumprimento do objetivo da eliminação (...), assim como em que ano será possível atingir (ou não) a eliminação com as políticas atualmente em curso", refere a nota da Universidade Católica.

A equipa da Universidade Católica está "a trabalhar na recolha de informações de outros cinco países: Bulgária, Inglaterra, Alemanha, Roménia e Espanha, parceiros nesta primeira fase do projeto"

A ferramenta agora lançada pretende dar aos políticos e a outras partes interessadas a possibilidade de tomarem decisões informadas e "assentes na mais relevante evidência científica".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.