Portugal Inovação Social investe 11,5 ME em 38 projetos de combate a problemas sociais

Lisboa, 05 julho (Lusa) -- Mais de 11 milhões de euros vão ser investidos em 38 projetos inovadores que visam combater problemas sociais, como o desemprego, a exclusão social ou o desperdício alimentar, no âmbito do programa Portugal Inovação Social, foi hoje anunciado.

O programa Portugal Inovação Social é uma iniciativa pública nacional, pioneira na Europa, que tem como objetivo promover a inovação e o empreendedorismo social em Portugal através da mobilização de Fundos Europeus Estruturais e de Investimento, no âmbito do Portugal 2020.

Os 38 projetos que agora recebem 11,5 milhões de euros de financiamento europeu estão a desenvolver respostas como a inclusão social de reclusos, através da sua participação na criação de uma ópera e da gestão de um novo espaço dentro da prisão dedicado às artes performativas, ou a promoção da inclusão social dos daltónicos, adianta o promotor do programa num comunicado enviado à agência Lusa.

O acompanhamento e a realização de sonhos de crianças em estado de saúde grave por jovens universitários, uma nova metodologia para combater o autismo, com vista a "reduzir radicalmente" a sua incidência, a promoção de competências digitais nos jovens para combater o abandono escolar e promover a sua empregabilidade e o desenvolvimento de um modelo integrado de apoio ao idoso que pode ser controlado remotamente são outros projetos apoiados pelo programa.

A iniciativa divulga, no comunicado, "os resultados positivos" que tem alcançado no âmbito dos três instrumentos de financiamento - "Capacitação para o Investimento Social", "Parcerias para o Impacto" e "Títulos de Impacto Social" -- que, sob sua gestão, visam apoiar projetos de inovação social em Portugal.

No primeiro período de candidaturas foram submetidas ao instrumento "Capacitação para o Investimento Social", 168 candidaturas válidas, correspondendo a 7,85 milhões euros, das quais 81 candidaturas são do norte do país, 72 do centro e 15 no Alentejo, segundo um primeiro balanço da iniciativa, ainda está a analisar as candidaturas.

No caso dos instrumentos "Parcerias para o Impacto" e "Títulos de Impacto Social" já foram concluídos o primeiro período de candidaturas e aprovações, refere o comunicado, sublinhando que no total serão investidos 11,5 milhões de euros.

Deste montante, 8,5 milhões de euros são assegurados por fundos europeus, através do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, e três milhões por investidores sociais.

Destes projetos de inovação social, 35 vão ser financiados através do instrumento "Parcerias para o Impacto", que apoia o desenvolvimento de projetos de inovação e empreendedorismo social, financiando 70% do projeto, sendo o restante assegurado por investidores sociais.

Os três projetos restantes serão financiados através do instrumento "Títulos de Impacto Social", que apoia projetos de inovação social alinhados com prioridades de política pública.

Neste caso, os investidores sociais financiam o projeto, sendo integralmente reembolsados se os resultados sociais previamente contratualizados forem alcançados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.