População considerável em Angola "não passa fome" mas está numa situação difícil -- ministro

O ministro da Agricultura e Florestas de Angola, Marcos Alexandre Nhunga, disse hoje que o país tem alguma "população considerável que não passa fome como tal", mas que "se encontra numa situação difícil".

Marcos Nhunga falava aos jornalistas depois de questionado pela agência Lusa sobre o relatório de segurança alimentar e nutrição elaborado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), o qual indica que, em Angola, 23,9% da população passa fome.

"É uma realidade, mas não temos essa realidade. A FAO divulga os seus dados e não queremos fazer comentários. Mas a FAO, quando divulga, tem dados com base num levantamento a nível mundial", afirmou o governante.

No relatório de 2018, a FAO refere que cerca de 821 milhões de pessoas no mundo passam fome, o que se traduz num aumento quando comparado com os dados de há dez anos.

Em Angola, segundo a FAO, "23,9% da população passa fome", o que equivale a que "6,9 milhões de angolanos não tenham acesso mínimo a alimentos".

Marcos Nhunga sustentou que a constatação é diferente da que pode parecer.

"[Angola] ainda tem alguma população considerável, que não digo que passem fome como tal, mas que está numa situação difícil. Exatamente por isso é que o governo quer melhorar e está a fazer intervenções no meio rural no quadro da atividade produtiva, para que possa resolver os problemas ligados à fome e à pobreza", disse.

O governante angolano falava, em Luanda, no final do 'workshop' sobre "Uso de calcário dolomítico para a recuperação e estabilização dos solos em Angola", coorganizado pelos ministérios da Agricultura e Florestas e dos Recursos Minerais e Petróleos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.