Ponte da Barca exige ao Governo colocação de conservador no registo civil

O presidente da Câmara de Ponte da Barca, Augusto Marinho (PSD), exigiu hoje ao Governo a colocação de um conservador no registo civil e pediu diretamente ao primeiro-ministro e à ministra da Justiça que essa medida seja tomada "prontamente".

"O que a Câmara exige é que se cumpra aqui um serviço público. Que seja prestado um serviço de interesse dos cidadãos e que seja exercido com todas as condições, afirmou Augusto Marinho.

O autarca fez um apelo "em particular" ao primeiro-ministro e à ministra da Justiça, enquanto "responsáveis políticos", para que resolvam prontamente esta situação, "não com medidinhas, mas colocando um conservador, a tempo inteiro" no concelho.

O presidente da Câmara de Ponte da Barca, que falava aos jornalistas à margem do lançamento de um abaixo-assinado, promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e do Notariado, do qual foi primeiro subscritor, classificou de "lamentável" a ausência, "há nove meses" de um conservador na Conservatória do Registo Civil, Predial, Comercial e Automóvel daquele Concelho.

"Abriram concurso, concorreram, nomearam uma pessoa que nunca assumiu o lugar. Esta situação tem criado graves transtornos aos cidadãos, ao município, às empresas, aos profissionais da área e que urge resolver", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.