Ponte da Barca exige ao Governo colocação de conservador no registo civil

O presidente da Câmara de Ponte da Barca, Augusto Marinho (PSD), exigiu hoje ao Governo a colocação de um conservador no registo civil e pediu diretamente ao primeiro-ministro e à ministra da Justiça que essa medida seja tomada "prontamente".

"O que a Câmara exige é que se cumpra aqui um serviço público. Que seja prestado um serviço de interesse dos cidadãos e que seja exercido com todas as condições, afirmou Augusto Marinho.

O autarca fez um apelo "em particular" ao primeiro-ministro e à ministra da Justiça, enquanto "responsáveis políticos", para que resolvam prontamente esta situação, "não com medidinhas, mas colocando um conservador, a tempo inteiro" no concelho.

O presidente da Câmara de Ponte da Barca, que falava aos jornalistas à margem do lançamento de um abaixo-assinado, promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e do Notariado, do qual foi primeiro subscritor, classificou de "lamentável" a ausência, "há nove meses" de um conservador na Conservatória do Registo Civil, Predial, Comercial e Automóvel daquele Concelho.

"Abriram concurso, concorreram, nomearam uma pessoa que nunca assumiu o lugar. Esta situação tem criado graves transtornos aos cidadãos, ao município, às empresas, aos profissionais da área e que urge resolver", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...