Políticas ambientais de Guimarães destacadas por programa europeu

As políticas de boas práticas ambientais e promoção da biodiversidade da Câmara de Guimarães estão a ser destacadas como exemplo pelo URBACT, um programa europeu de intercâmbio e aprendizagem que promove o desenvolvimento urbano sustentável, anunciou hoje a autarquia.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Guimarães refere que o projeto referenciado é o P2GREeN - Proteção e Promoção da Biodiversidade de Guimarães - Património Natural, criado e desenvolvido pelo município de Guimarães em parceria com o Laboratório da Paisagem e que se "assume como um Plano Integrado de Biodiversidade Urbana, que se pretende que adicione valor às áreas verdes da cidade, para que os cidadãos possam apreciá-las e respeitá-las"

O programa pretende ainda "contribuir para aumentar a importância das espécies autóctones".

Segundo a autarquia, o destaque deste projeto está patente na plataforma digital do programa URBACT, um programa de Cooperação Territorial Europeia "com o objetivo de promover o desenvolvimento urbano integrado e sustentável nas cidades da Europa".

No texto, refere-se ainda que a "missão do URBACT é permitir que as cidades trabalhem em conjunto e desenvolvam soluções integradas para os desafios urbanos comuns, trabalhando em rede, aprendendo com as experiências uns dos outros, tirando lições e identificando boas práticas para melhorar as políticas urbanas, apontando como exemplo as práticas desenvolvidas pela Câmara Municipal de Guimarães".

Quanto ao projeto P2GREeN, este é baseado num plano estratégico, que compreende duas etapas principais, ligadas entre si.

"A primeira etapa inclui uma fase de diagnóstico/caracterização de áreas verdes e biodiversidade, seguida pela segunda etapa de valorização das áreas verdes do município", lê-se.

A implementação pela parte do Laboratório da Paisagem inclui a fase de diagnóstico/caracterização com três ações distintas, que compartilham o objetivo de maximizar o conhecimento da área.

Inicialmente, propôs o mapeamento da presença de espécies exóticas invasoras, através do "Plano de Controle de Espécies Exóticas Invasoras", bem como a indicação de protocolos para a erradicação dessas espécies.

O reflorestamento das áreas identificadas é realizado por meio de um projeto de educação ambiental e envolvimento comunitário chamado "Guimarães mais Floresta", que também promove a conscientização sobre a importância de uma floresta autóctone.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.