Politécnico do Cávado e Ave cria Escola Técnica Superior Profissional

Barcelos, Braga, 26 jun 2019 (Lusa) - O Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA) criou a Escola Técnica Superior Profissional (ETESP), que fica responsável pela gestão, organização e funcionamento dos cursos de dois anos, anunciou hoje a instituição.

Em comunicado, o IPCA refere que a ETESP é a sua quinta escola e terá sede no polo de Braga.

A criação da ETESP foi aprovada por despacho de 05 de maio do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, e que os estatutos provisórios da escola foram aprovados pelo Conselho Geral do IPCA na terça-feira.

Para o IPCA, estão assim "reunidas as condições para que a escola entre em funcionamento e inicie o processo de elaboração dos estatutos definitivos".

"O IPCA consegue mais um feito na sua história, com a criação da sua quinta escola, fruto de uma forte articulação na respostas às necessidades da região ao nível da oferta formativa qualificada", sublinha o comunicado.

A ETESP é uma unidade orgânica de ensino e investigação do IPCA, responsável pela gestão, organização e funcionamento dos cursos técnicos superiores profissionais.

Junta-se à Escola Superior de Gestão (criada em 1996), Escola Superior de Tecnologia (2004), Escola Superior de Design (2015) e a Escola Superior de Hotelaria e Turismo (2017).

Os cursos técnicos superiores profissionais no IPCA arrancaram no ano letivo 2014/2015, com 180 estudantes distribuídos por três cursos: apoio à gestão, aplicações móveis e eletrónica, automação e comando.

Atualmente, o instituto tem mais de mil estudantes a frequentar 20 cursos técnicos superiores profissionais, a funcionar em Barcelos (campus do IPCA) e nos polos de Braga, Guimarães e Vila Nova de Famalicão.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.