Politécnico de Bragança quer pôr a academia a pedalar com bicicletas elétricas

O Instituto Politécnico de Bragança (IPB) quer pôr a comunidade académica a pedalar, disponibilizando, a partir de janeiro, de 100 bicicletas elétricas, nas quais foram investidos mais de 241 mil euros, foi hoje divulgado.

O Politécnico de Bragança é o responsável pelo "IPBike" e será o primeiro a avançar com este projeto coordenado pelo Instituto da Mobilidade e Transportes (IMT) e que envolve 15 instituições de Ensino Superior portuguesas, pelas quais serão distribuídas três mil bicicletas (duas mil elétricas e mil convencionais), num investimento global de seis milhões de euros.

A partir de janeiro, estudantes e todos os funcionários e colaboradores do IPB podem alugar, por um período de seis meses a um ano, uma destas bicicletas, com o compromisso de deixaram o veículo motorizado em casa e de fazerem o número de quilómetros que hão de contratar, já que um dos propósito do projeto é contribuir para o meio ambiente, como explicou o responsável local pelo mesmo, Vicente Leite.

"O IPB comprometeu-se a substituir um determinado número de quilómetros em transportes motorizados pelas bicicletas e os utilizadores assumem parte da responsabilidade deste objetivo", explicou.

A cedência das bicicletas será gratuita, cabendo ao utilizador suportar apenas um custo mensal de 20 euros para manutenção e seguro obrigatório, além de uma caução.

Junto às entradas dos edifícios do campus académico existirão "perto de 40 pontos de amarração" para deixar os veículos.

"Pôr a academia a pedalar", em Bragança, implicou um investimento de mais de 241 mil euros, financiados em 85% por fundos comunitários e com uma comparticipação da Câmara de Bragança no valor de 15 mil euros.

O presidente do município, Hernâni Dias, explicou hoje, na apresentação das novas bicicletas à academia, que decidiu "imediatamente" integrar este projeto porque complementa e vai ao encontro das políticas locais de mobilidade e preservação ambiental.

Bragança já disponibiliza, a quem quiser passear durante algumas horas pela cidade, o aluguer de 20 bicicletas elétricas (as Xispas) que "já tiveram mais de 40 mil horas de utilização".

A autarquia tem também prevista a construção de 22 novos quilómetros de ciclovias na cidade, a juntar aos oito já existentes, nomeadamente em torno do campus do politécnico.

O presidente do IPB, Sobrinho Teixeira, sublinhou o "exemplo e sensibilização que [a instituição] quer dar aos jovens do valor que deve ter o ambiente", além de pretender demonstrar que, "mesmo com muito frio, as pessoas andam de bicicleta, em Bragança".

A sessão de apresentação do "IPBike" contou também com conselhos da PSP de Bragança aos futuros utilizadores destas bicicletas elétricas, ao nível da partilha da via e do espaço público com peões e veículos motorizados.

Ficou também a garantia do comissário Pereira de que a Polícia de Bragança "raramente regista acidentes em que tenham sido intervenientes condutores de velocípedes", acrescida do apelo para que esta estatística não seja alterada.

O presidente do IMT, Eduardo Feio, referiu-se à aposta neste projeto junto das instituições de Ensino Superior, apontando "a bicicleta como um instrumento muito importante para pequenas deslocações" e salientando a importância de encarar "a mobilidade numa perspetiva multimodal".

Para o responsável, este projeto "é também uma forma muito importante de animar as cidades".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.