Polícia brasileira apreendeu 700 quilogramas de explosivos em Fortaleza

A polícia apreendeu hoje cerca de 700 quilogramas de explosivos que estavam num apartamento em Fortaleza, no nordeste do Brasil, com as autoridades a referirem que o material seria usado para continuar com a onda de vandalismo na região.

Pelo menos 44 municípios do estado do Ceará têm sido alvo, nos últimos 16 dias, de uma série de atos de vandalismo contra os edifícios públicos, veículos e estabelecimentos comerciais.

De acordo com as autoridades brasileiras, os explosivos encontrados, que estavam guardados em 23 caixas no interior de um apartamento vazio na cidade de Fortaleza, estado do Ceará, seriam utilizados pelos criminosos para realizar novos ataques a pontes, viadutos e torres de telecomunicações.

Os investigadores suspeitam que o material apreendido é parte de uma carga de cinco toneladas de explosivos que foram furtados no final de dezembro, antes de serem entregues a uma pedreira na zona.

De acordo com as investigações, os atos de vandalismo são organizados por fações criminosas que operam do interior das prisões em retaliação ao anúncio de medidas que visam intensificar os controlos nas prisões da região.

Já foram detidas pelas autoridades 375 pessoas acusadas de participar nos atos de vandalismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.