PJ detém alegado incendiário de Oliveira de Azeméis

Um homem acusado de ser responsável por um incêndio, no domingo em Oliveira de Azeméis, foi detido pela Polícia Judiciária (PJ), revelou hoje essa autoridade policial, que no processo contou com a ajuda da GNR.

Em causa está um fogo florestal que deflagrou na freguesia de Cesar, no domingo, e, segundo a Diretoria do Norte da PJ, também afetou terrenos de Macieira de Sarnes e Oliveira de Azeméis, pondo em perigo "várias habitações".

"A PJ procedeu à identificação e detenção de um homem pela presumível autoria do crime de incêndio florestal", revela essa estrutura em comunicado. "O arguido já foi suspeito da prática de um crime de incêndio florestal no ano de 2010", acrescenta.

O homem em causa tem 57 anos de idade, é operário da construção civil e vai agora ser sujeito a um primeiro interrogatório judicial, após o que lhe serão aplicadas "as medidas de coação tidas por adequadas".

Contactado pela Lusa, o Comando Distrital de Operações de Socorro de Aveiro indicou que o fogo que lavrou domingo em Oliveira de Azeméis teve início às 17:49, foi combatido por 17 homens e quatro veículos, tendo sido dado como controlado às 18:50.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.