PJ de Macau detém seis suspeitos de crime informático

A Polícia Judiciária (PJ) de Macau anunciou hoje a detenção de seis suspeitos no caso de um crime informático que envolveu o roubo de dados de cartões de crédito que causaram às vítimas prejuízos superiores a 18 mil euros.

A investigação da PJ teve início após terem sido reportados àquela entidade, no final de 2018, "muitos casos de roubo de cartão de crédito", culminando numa busca à residência dos suspeitos, na quarta-feira.

Entre outubro e dezembro do ano passado, "cada autor utilizou os dados de cinco a nove cartões de créditos roubados para recarregar as contas de jogo online", tendo sido detetado um total de 300 transações e a movimentação abusiva de 170 mil patacas (18,5 mil euros).

"Todas as vítimas tiveram em comum o uso do seu cartão de crédito num 'website' estrangeiro. Oficialmente, este 'website' já confirmou ter existido [uma] falha de segurança", sublinhou a PJ em comunicado.

O principal suspeito terá sido aliciado por uma pessoa do interior da China para a prática destes crimes, tendo partilhado o esquema fraudulento com os restantes elementos que compravam "moeda e instrumentos de jogo online".

Os suspeitos, cinco homens e uma mulher, têm entre 23 e 28 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.