Piloto Thierry Neuville renova com Hyundai por três anos até 2021

O piloto belga Thierry Neuville, líder do campeonato do Mundo de ralis, prolongou o seu contrato com a Hyundai por três anos, até à época de 2021, anunciou hoje a equipa.

"Estamos muito satisfeitos em ampliar a nossa relação com o Thierry e o copiloto Nicolas (Gilsoul) por mais três temporadas", disse Michel Nandan, o responsável da Hyundai em relação à sua principal dupla no campeonato.

Vice-campeão do Mundo em 2013, 2016 e 2017, Neuville juntou-se à Hyundai no final de 2013, depois de dirigir um DS3 Citroen em 2012 e um Ford Fiesta RS em 2013, e estreou-se a vencer no WRC na Alemanha em 2014, precisamente o primeiro triunfo da Hyundai.

"Nos últimos cinco anos, ambos desempenharam um papel crucial na implementação do programa Hyundai Motorsport WRC, ajudando-nos a atingir muitas metas importantes desde a nossa primeira vitória", acrescentou Nandan sobre o piloto que soma nove triunfos e 24 pódios no WRC.

Cumpridas nove das 13 etapas do Mundial, Neuville comanda com 172 pontos, mais 23 do que o francês pentacampeão do Mundo Sebastien Ogier, e 36 do que o estónio Ott Tanak.

A Hyundai encabeça a classificação por equipas com 254 pontos, mais 13 do que a Toyota Racing e 30 do que a M-Sport Ford WRT.

"Enquanto caminhamos para um desfecho emotivo da época, é importante que estejamos já a preparar 2019 e além", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.