Petróleo: Governo transforma Portugal em "offshore ambiental" - Movimento Climáximo

O dirigente da Climáximo e ativista ambiental João Camargo acusou hoje o Governo de estar a criar uma espécie de "offshore ambiental", em que "não é preciso cumprir as leis ambientais", numa alusão à permissividade face à indústria petrolífera.

O responsável da Climáximo, organização pela justiça climática e combate à exploração de petróleo, gás, carvão, reagia assim, em declarações à agência Lusa, à decisão da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) de dispensar um estudo de impacto ambiental à prospeção de petróleo ao largo de Aljezur, pelo consórcio Eni/Galp.

João Carmargo admitiu que, "infelizmente" não ficou surpreendido com a decisão da APA, porque sempre avisou que o processo de consulta prévia era "uma farsa" montada pelo Governo e pelo PS para evitar o estudo de impacto ambiental à "indústria mais destrutiva que já existiu", que é a indústria petrolífera.

De acordo com o ativista da Climáximo, o Governo cria"regras de exceção" para a indústria petrolífera, tornando Portugal numa espécie de "offshore ambiental" para este setor.

"É um Governo jagunço da indústria petrolífera", disse João Camargo.

A Climáximo vai realizar na sexta-feira (18:00) uma sessão pública de esclarecimento e protesto junto à sede da Galp, em Lisboa, pedindo uma outra política pública para o Ambiente.

Entretanto, o presidente da APA, Nuno Lacasta, justificou a decisão da APA referindo que "não foram identificados impactos negativos significativos" na realização do furo de prospeção petrolífera ao largo de Aljezur.

A decisão da APA foi anunciada hoje em conferência de imprensa, na sede da Agência, no último dia do prazo previsto.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.