Pestana CR7 investe 60 milhões de euros em novo hotel em Paris

O grupo Pestana, em parceria com Cristiano Ronaldo, vai abrir em Paris, França, o sexto hotel da marca Pestana CR7, num investimento de 60 milhões de euros, avançou a empresa em comunicado.

A unidade, que deverá abrir em 2021, terá quatro estrelas e contará com 210 quartos, sendo a "que tem maior capacidade até à data. Está localizada na Rive Gauche, próximo do Sena, entre as gares de Austerlitz e Lyon", referiu o mesmo documento.

Neste momento, o hotel está em fase "preliminar do seu licenciamento", avançou o grupo hoteleiro português.

"À semelhança das outras cinco unidades hoteleiras da marca Pestana CR7 Lifestyle Hotels, esta é uma parceria de investimento 50-50 entre o Pestana Hotel Group e Cristiano Ronaldo", na qual a gestão fica a cargo da empresa, detalhou a mesma fonte.

O futebolista, citado no comunicado, disse que "faz todo o sentido a marca Pestana CR7 implementar-se em Paris, uma das cidades mais visitadas do mundo". Por sua vez, José Roquette, Chief Development Officer do Pestana Hotel Group referiu que "com esta conquista, rumamos à duplicação do portefólio da marca, com uma expansão maioritariamente internacional que reforça a sua visibilidade global".

A marca Pestana CR7 Lifestyle Hotels conta neste momento com duas unidades, em Lisboa e no Funchal, mas estão previstas aberturas em Madrid, Nova Iorque, Marraquexe e Paris, num total de 800 quartos, revelou o grupo hoteleiro.

Globalmente, e depois destas inaugurações, o Pestana ultrapassará as 90 unidades em 15 países.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.