Pequenas e médias empresas moçambicanas perdem 40% de tempo a cobrar dívidas

As pequenas e médias empresas em Moçambique perdem 40% do seu tempo reivindicando pagamentos de faturas e o Estado moçambicano está entre os principais devedores, indica a Confederação das Associações Económicas de Moçambique - CTA.

"Este é um problema antigo que afeta o fluxo de caixa e reduz a capacidade de aumentar a rotação do produto e vendas", refere a CTA, num comunicado publicado hoje no `website´ da organização.

Além de outras entidades privadas, o Estado está entre os principais clientes que não pagam atempadamente as faturas referentes a bens e serviços prestados por pequenas e médias empresas, de acordo com a CTA.

O presidente da CTA, Agostinho Vuma, citado no comunicado, entende que os atrasos e falta de pagamentos são um "grande desafio para as pequenas e médias empresas", considerando que há ainda muito por fazer para garantir a estabilidade do setor.

"Estes aspetos são sinais de que, apesar da recuperação que o país está a apresentar, os fundamentos da economia doméstica ainda estão fracos para sustentar o crescimento do setor produtivo tradicional", concluiu Agostinho Vuma.

Vuma disse ainda que "o crédito concedido às empresas continua a cair, embora o ritmo de queda no segundo trimestre de 2018 seja menor que o do primeiro trimestre".

"As perspetivas de crescimento do setor financeiro podem ser ainda maiores se conseguirmos aumentar a sua participação nas transações dos grandes projetos", referiu.

Com o incremento projetado de megaprojetos de gás natural e extração de minerais, abre-se uma janela de oportunidade para as pequenas e médias empresas moçambicanas, mas a falta de certificação internacional e capacidade técnica tem sido um entrave.

As multinacionais são muitas vezes obrigadas a importar equipamentos, consumíveis e serviços a fornecedores estrangeiros, por falta de empresas que lhe garantam essa oferta em Moçambique.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.