Pentágono avalia em mais de 60 ME custo do envio de tropas para fronteira sul dos EUA

O custo do envio de tropas norte-americanas para a fronteira com o México pode custar aos cofres do Estado mais de 60 milhões de euros, informou na terça-feira o Pentágono.

"Com base na presença atual de 5.900 militares ativos, até 15 de dezembro de 2018, o custo estimado do destacamento, manutenção e envio de tropas é de aproximadamente 72 milhões de dólares (63,3 milhões de euros)", disse o porta-voz do Pentágono, Robert Manning.

Os militares sublinharam que o custo final dependerá, em qualquer caso, "do tamanho, da duração e do propósito" desta operação destinada a apoiar o Departamento de Segurança Nacional.

"Esta estimativa inclui apenas os membros e os materiais de apoio aprovados em 19 de novembro", referiu Manning.

As tropas encontram-se distribuídas entre os estados da Califórnia (cerca de 1.500), Arizona (cerca de 1.500) e Texas (cerca de 2.800), com a principal missão de fornecer apoio logístico ao Serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras.

A operação batizada como "Patriota Fiel", ideia do Presidente norte-americano, Donald Trump, destina-se a deter as caravanas formadas por milhares de migrantes - na sua maioria hondurenhos, guatemaltecos e salvadorenhos - que tentam fugir à miséria e à violência nos países de origem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...