Pedrógão Grande: Presidente chinês envia mensagem de condolências a Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente chinês, Xi Jinping, enviou uma mensagem ao homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa, endereçando condolências pelo incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, fazendo 64 mortos, informa hoje a agência noticiosa oficial Xinhua.

Na mensagem, o líder chinês diz ter ficado "chocado" ao saber que o incêndio em Portugal causou grande número de vítimas e prejuízos materiais, detalha a Xinhua.

Xi Jinping "endereçou sentidas condolências e um sincero pesar às vítimas e seus familiares, em nome do Governo e do povo chinês e dele próprio", acrescenta.

O também secretário-geral do Partido Comunista da China disse acreditar que os portugueses vão ultrapassar o desastre e reconstruir a sua terra natal, sob a liderança do Presidente e Governo de Portugal.

O fogo, que deflagrou às 13:43 de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço oficial dá conta de 64 mortos e 135 feridos.

Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

Além de Pedrógão Grande, existem quatro grandes fogos a lavrar nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco. Em todo o País, os fogos mobilizam um total de cerca de 2.155 operacionais, 666 veículos e 21 meios aéreos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.