Pedrógão Grande: PR timorense expressa pesar e solidariedade com vítimas de incêndios

O Presidente da República timorense manifestou hoje o seu pesar e solidariedade com as vítimas dos fogos que têm assolado a zona de Pedrógão Grande e de outras localidades do centro de Portugal.

"É com tristeza que acompanhamos as notícias dos fogos que ocorreram em Pedrógão Grande. Em nome do Estado e do povo de Timor-Leste quero expressar as nossas sentidas condolências às famílias enlutadas e a nossa solidariedade com o povo irmão de Pedrógão Grande", disse Francisco Guterres Lu-Olo num comunicado divulgado ao final da noite, hora local, em Díli.

"Oramos a Deus para que dê forças às vítimas e famílias afetadas para ajudar a ultrapassar este momento tão difícil", refere a nota.

O fogo, que deflagrou às 13:43 de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço dá conta de 63 mortos civis e 135 feridos, entre os quais 121 civis, 13 bombeiros e um militar da GNR. Dos 135 feridos, sete estão em estado grave: cinco bombeiros voluntários e dois civis. Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas.

O Governo português decretou três dias de luto nacional, até terça-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.