Pedrógão Grande: Cooperativa ajuda a reconstruir casas para e com as pessoas

Uma cooperativa que trabalha na área da arquitetura social tem ajudado a reconstruir sete casas de raiz na região atingida pelo incêndio de Pedrógão Grande, num processo mais demorado, mas onde se dá ênfase à participação das pessoas afetadas.

Ao invés de projetos-tipo de habitação já definidos ou da simples reconstrução do que havia, o ateliermob/cooperativa "Trabalhar com os 99%" tem apostado numa reabilitação das casas feita em conjunto com as pessoas, respondendo às suas necessidades e expectativas, em habitações permanentes cuja intervenção tinha sido entregue ao fundo da União das Misericórdias e Fundação Calouste Gulbenkian, disse à agência Lusa o sócio fundador do atelier, Tiago Mota Saraiva.

A equipa conta com 15 arquitetos, "um batalhão de engenheiros" e uma antropóloga, que faz um trabalho de maior proximidade com as pessoas, num processo sempre feito com a participação das famílias afetadas.

De acordo com o arquiteto, no início da intervenção, as famílias queriam apenas "a casa igual tal como estava", numa espécie de "reação traumática" dos primeiros instantes. Mas, passados dois meses, começaram a dar sugestões de alterações à habitação, para que fosse "uma casa onde gostassem mais de viver e que tivesse mais qualidade do que a casa feita anteriormente".

"Esse trabalho [de participação] faz parte de uma reabilitação da pessoa. Está a projetar no futuro, a imaginar-se a viver numa casa nova e a esquecer o evento terrível", procurando desenhar uma casa com "mais qualidade, mais quente, mais aprazível", realçou.

Segundo Tiago Mota Saraiva, há pedidos para mudar as janelas, fazer apenas a casa em piso térreo, ou garantir corrimãos e rampas face a questões de mobilidade de algumas das pessoas afetadas.

Para a reconstrução destas casas, teve-se também atenção àquilo que era o quotidiano e dinâmicas das famílias, onde os galinheiros, o anexo para as alfaias, o forno a lenha, o fumeiro ou o local onde estava a horta também são tidos em conta, explanou.

As sete casas (três em Figueiró dos Vinhos, três em Pedrógão Grande e uma na Pampilhosa da Serra) foram entregues à cooperativa em setembro e a maioria vão entrar em obra em janeiro, acrescentou.

"Nenhum dos proprietários que está connosco está com a tensão dos 'timings'", frisou, referindo que as intervenções estão a demorar mais tempo porque quiseram "acrescentar qualidade às casas".

"Quando chegámos, vimos que a construção não era de grande qualidade. Agora, ficará com mais qualidade e queremos que não entre água dentro de casa, que não tenham frio, que se orgulhem da casa", afirmou, salientando que o processo de reconstrução não pode ser "só descarregar dinheiro - é preciso fazer as coisas bem feitas e bem feitas aguentam no tempo".

Tiago Mota Saraiva nota que "o discurso de Lisboa" está muito focado no tempo e nas taxas de execução e isso poderá prejudicar "sempre a qualidade do que está a ser construído".

Com o tempo encurtado e a pressão de se fazer rápido, preocupa-o a ausência de fiscalização.

"Não sentimos que exista no terreno, para além dos municípios, uma fiscalização independente para nos julgar a nós, técnicos. Estamos a fazer tão rápido que nos podemos enganar. Seria uma mais-valia a avaliação da qualidade dos projetos e a avaliação do que está a ser construído", defendeu.

A cooperativa instalou um gabinete em Figueiró dos Vinhos e, além dos sete projetos de raiz, deu ainda assistência técnica ao fundo da Gulbenkian e da União das Misericórdias.

Tiago Mota Saraiva explica que o objetivo é fazer um trabalho a longo prazo, ajudando a dinamizar o território, sendo que vários projetos poderão surgir num futuro próximo.

Entretanto, o ateliê também garantiu a reabilitação da escola primária da aldeia da Figueira, em conjunto com o coletivo Warehouse, onde vai ser instalada a Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, cuja sede está previsto ser inaugurada no dia de Natal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.