Pedro Nuno Santos diz que obras na Ponte 25 de Abril são prioridade do Governo

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, considerou hoje, em Almada, que as obras na Ponte 25 de Abril são uma prioridade do Governo, destacando que se trata de um investimento importante para os cidadãos.

"Esta é primeira obra no terreno que eu visito enquanto ministro. Permite-nos sinalizar aquela que é uma das nossas principais prioridades", disse o ministro aos jornalistas, após uma visita aos trabalhos na ponte.

Pedro Nuno Santos indicou que a Ponte 25 de Abril requer um cuidado especial, lamentando o adiamento da intervenção.

"São muitos quilómetros de infraestrutura. Esta não é uma obra qualquer. É a Ponte 25 de Abril, obriga a um cuidado especial. E durante vários anos fomos adiando uma intervenção", declarou o governante, realçando que o executivo está "a fazer obras de investimento público pelo país muito importantes".

Com um valor estimado de 12,6 milhões de euros, as obras de reparação e conservação da Ponte 25 de Abril começaram formalmente em 19 de dezembro de 2018 e têm conclusão prevista para o final do ano de 2020.

Para Pedro Nuno Santos, a conclusão dos trabalhos em 700 dias, sem condicionar o trânsito, atenua o impacto na vida dos cidadãos e utilizadores da infraestrutura que liga Almada a Lisboa.

"[Esta] é uma das preocupações. Torna a obra mais prolongada, mas tenta-se minorar os impactos na vida dos nossos cidadãos, na vida dos utilizadores da Ponte 25 de Abril. Tenta-se limitar ao máximo o condicionamento da ponte e isso está assegurado", frisou.

Também em declarações aos jornalistas, o presidente da Infraestruturas de Portugal, António Laranjo, adiantou que já não haverá interrupção total da circulação nos dias 11, 12, 18 e 19 de maio, bem como em dois fins de semana em outubro.

Segundo António Laranjo, estas interrupções "já não serão feitas" naquelas datas, mas serão realizadas, "posteriormente, em articulação com a Lusoponte", concessionária da ponte.

A Ponte 25 de Abril serve, atualmente, cerca de 300 mil utilizadores todos dias, por rodovia e ferrovia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.