Pedidos semanais de subsídio de desemprego nos Estados Unidos baixam em 3.000

Os pedidos de subsídio de desemprego nos Estados Unidos diminuíram em 3.000 na semana passada, tendo sido de 213.000, divulgou hoje o Departamento do Trabalho norte-americano.

De acordo com a agência Efe, esta diminuição surpreendeu os analistas, que esperavam um aumento para os 220.000.

Relativamente à média de pedidos durante o último mês, um indicador mais fiável do comportamento do mercado laboral nos Estados Unidos, diminuiu em 1.000 e ficou-se pelos 220.750, de acordo com dados do Governo de Washington.

Os pedidos de subsídio de desemprego estão há mais de 200 semanas consecutivas abaixo da barreira dos 300.000, e o número de pessoas que recebem subsídio de forma continuada cresceu em 18.000, totalizando 1,74 milhões, número próximo ao valor mais baixo desde o início da década de 1970.

Em dezembro de 2018, a taxa de desemprego nos Estados Unidos foi de 3,9%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.