Pedidos semanais de subsídio de desemprego nos Estados Unidos baixam em 3.000

Os pedidos de subsídio de desemprego nos Estados Unidos diminuíram em 3.000 na semana passada, tendo sido de 213.000, divulgou hoje o Departamento do Trabalho norte-americano.

De acordo com a agência Efe, esta diminuição surpreendeu os analistas, que esperavam um aumento para os 220.000.

Relativamente à média de pedidos durante o último mês, um indicador mais fiável do comportamento do mercado laboral nos Estados Unidos, diminuiu em 1.000 e ficou-se pelos 220.750, de acordo com dados do Governo de Washington.

Os pedidos de subsídio de desemprego estão há mais de 200 semanas consecutivas abaixo da barreira dos 300.000, e o número de pessoas que recebem subsídio de forma continuada cresceu em 18.000, totalizando 1,74 milhões, número próximo ao valor mais baixo desde o início da década de 1970.

Em dezembro de 2018, a taxa de desemprego nos Estados Unidos foi de 3,9%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.