PCP quer "outra política e outro governo"

O secretário-geral do PCP defendeu que "não há soluções" para o país com governos do PS, que acusou de estar "amarrado às opções" de direita, e apelou a uma "inadiável" resposta a problemas estruturais da economia

No discurso de rentrée do PCP, que marca o final da festa do Avante!, o secretário-geral do PCP cerrou fileiras e pediu "uma outra política e um outro governo".

"Está também à vista que, para pôr o país a avançar a sério, para dar solução aos problemas acumulados, se exige uma outra política e um outro governo. A resposta estrutural aos problemas do país não se faz com o governo do PS nem com a sua atual política, amarrado às opções de política de direita", afirmou Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral comunista intervinha no comício de encerramento da Festa do Avante!, num discurso de 53 minutos, grande parte dos quais dedicados às questões económicas e de desenvolvimento do país.

Perante milhares de comunistas, no Palco 25 de Abril, Jerónimo de Sousa advertiu que "dar mais força ao PS é mais mais espaço à política de direita, andar para trás na defesa de reposição de direitos que só foram possíveis exatamente por o PS não ter a força que ambiciona".

Jerónimo de Sousa advertiu o PS de que "não vale a pena enfeitar-se com alguns dos avanços que foram alcançados nestes três anos", avanços que valorizou, apesar de "limitados".

O líder comunista sustentou que o "que se avançou" foi conseguido, porque o PS "não tinha os votos, para, sozinho, impor a política de sempre", e considerou que cativações e atrasos na regulamentação são alguns dos "expedientes" usados pelo governo PS para adiar, limitar ou mesmo não concretizar os "avanços" conseguidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.