PCP chama ministro da Ciência e Ensino Superior ao parlamento

O PCP chamou hoje ao parlamento o ministro da Ciência Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, para esclarecimentos sobre a precariedade e o financiamento do setor.

Em requerimento dirigido ao presidente da Comissão de Educação e Ciência, Alexandre Quintanilha, o partido considera que a atual situação reflete "décadas de subfinanciamento e de desvalorização", que exigem medidas que rompam com este caminho e permitam a resolução dos problemas.

"Os orçamentos das instituições de ensino superior ainda são insuficientes para cobrir as despesas de funcionamento", afirmam os comunistas, sublinhando que "falta verba" para compensar as valorizações remuneratórias que tê de ser cumpridas.

O partido alega que a precariedade se mantém "elevadíssima", seja por via de bolsas, de contratações a prazo ou "de outros expedientes".

Relativamente aos alunos, o PCP alerta para os "custos proibitivos com propinas, taxas e material", além da falta de camas em residências.

Em vésperas de orçamento, o partido exige conhecer "com detalhe" o que está a ser feito em relação aos problemas identificados por diversas entidades do setor, representativas das instituições e dos estudantes.

No requerimento pede-se a presença do ministro na comissão para esclarecer o que está a ser feito, qual o calendário e ações concretas.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje na terça-feira que "era bom" que o Estado, universidades e autarquias "trabalhassem para enfrentar o problema" da falta e do preço do alojamento para os estudantes do Ensino Superior.

AH

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.