Pavel Sivakov vence isolado a segunda etapa da Volta aos Alpes

Schenna, Itália, 23 abr 2019 (Lusa) -- O russo Pavel Sivakov venceu hoje isolado a segunda etapa da Volta aos Alpes em bicicleta, assumindo a liderança da classificação geral individual, na segunda vitória consecutiva para a equipa britânica Sky.

O russo precisou de 4:58.17 horas para cumprir os 178,7 quilómetros entre Reith im Alpbachtal, na Áustria, e Schenna, já em solo italiano, batendo por quatro segundos o checo Jan Hirt (Astana), segundo, e por 17 o italiano Mattia Cattaneo (Androni Giocattoli-Sidermec), terceiro.

Aos 21 anos, Sivakov consegue a primeira vitória como profissional, numa carreira que despontou com o triunfo na Volta a Itália para jovens, em 2017, e sucede na camisola amarela ao companheiro de equipa britânico Tao Geoghegan Hart, que também se tinha estreado a vencer no primeiro dia de prova.

Na geral, Hirt está a oito segundos e Cattaneo a 33, sendo que o polaco Rafal Majka (BORA-hansgrohe) subiu a quarto, a 39 segundos, o mesmo tempo do sexto classificado, o italiano Vincenzo Nibali (Bahrain-Mérida), que entrou no 'top 10', ao contrário do britânico Chris Froome (Sky), de fora dos primeiros lugares.

Na quarta-feira, a terceira de cinco etapas liga Salorno a Baselga di Pinè em 106,3 quilómetros, numa tirada curta mas endurecida pelas várias subidas, uma de terceira e outra de segunda categoria, além de uma chegada em alto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?