Pavel Sivakov vence isolado a segunda etapa da Volta aos Alpes

Schenna, Itália, 23 abr 2019 (Lusa) -- O russo Pavel Sivakov venceu hoje isolado a segunda etapa da Volta aos Alpes em bicicleta, assumindo a liderança da classificação geral individual, na segunda vitória consecutiva para a equipa britânica Sky.

O russo precisou de 4:58.17 horas para cumprir os 178,7 quilómetros entre Reith im Alpbachtal, na Áustria, e Schenna, já em solo italiano, batendo por quatro segundos o checo Jan Hirt (Astana), segundo, e por 17 o italiano Mattia Cattaneo (Androni Giocattoli-Sidermec), terceiro.

Aos 21 anos, Sivakov consegue a primeira vitória como profissional, numa carreira que despontou com o triunfo na Volta a Itália para jovens, em 2017, e sucede na camisola amarela ao companheiro de equipa britânico Tao Geoghegan Hart, que também se tinha estreado a vencer no primeiro dia de prova.

Na geral, Hirt está a oito segundos e Cattaneo a 33, sendo que o polaco Rafal Majka (BORA-hansgrohe) subiu a quarto, a 39 segundos, o mesmo tempo do sexto classificado, o italiano Vincenzo Nibali (Bahrain-Mérida), que entrou no 'top 10', ao contrário do britânico Chris Froome (Sky), de fora dos primeiros lugares.

Na quarta-feira, a terceira de cinco etapas liga Salorno a Baselga di Pinè em 106,3 quilómetros, numa tirada curta mas endurecida pelas várias subidas, uma de terceira e outra de segunda categoria, além de uma chegada em alto.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.