Parlamento austríaco aprova proibição do véu islâmico nas escolas primárias

Viena, 21 nov (Lusa)- O Parlamento da Áustria aprovou hoje a proibição do véu islâmico nas escolas do ensino primário, que abrange crianças entre os seis e os dez anos.

Aprovada por maioria simples com os votos do Partido Popular (ÖVP, democratas-cristãos) e do Partido da Liberdade (FPÖ, nacionalistas), que integram a coligação de governo, a nova legislação prevê multas de até 440 euros para os pais das menores que não cumpram.

O Governo apresentou a decisão como "uma medida contra a doutrinação religiosa e a estigmatização".

Outro dos objetivos é proteger as menores de uma alegada "sexualização prematura", justificou o vice-chanceler e líder do FPÖ.

Vários especialistas advertiram que a normativa poderá ferir diversos princípios da Constituição, como o da liberdade religiosa e da não discriminação, bem como o das normas jurídicas que regulam o funcionamento escolar e requerem maioria qualificada para a sua aprovação.

O Partido Social-Democrata, a maior força política da oposição, e os liberais do NEOS tinham manifestado disponibilidade para apoiar a legislação, caso a proibição do véu fosse acompanhada por um pacote de medidas para facilitar a integração de imigrantes e refugiados.

"Não vejo que integrar através de multas seja uma solução. São necessárias medidas adicionais", disse o social-democrata Heinrich Himmer, presidente do Conselho Escolar de Viena, citado pela agência austríaca APA.

O Governo recusou negociar o projeto, tendo optado pela aprovação como lei simples, uma opção que pode comportar um "risco legislativo" e poderá ser impugnável junto do Tribunal Constitucional, segundo explicou o jurista Bernd-Christian Funk.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...