Paralisação do governo dos EUA leva mais funcionários a pedir ajuda social

O número de funcionários federais sem salário, por causa da paralisação parcial do governo dos EUA, que pediram ajuda social duplicou na última semana, disse hoje fonte governamental.

São já mais de 10 mil os funcionários federais que estão a pedir alguma forma de ajuda, ao fim de 27 dias de paralisação parcial do governo dos EUA, que deixou cerca de 800 mil pessoas sem salário, segundo o Departamento de Trabalho.

Em situação normal, apenas menos de mil funcionários federais pedem semanalmente ajuda social, por se encontrarem doentes, ou por ficarem sem o seu posto de trabalho.

Mas, tirando proveito do facto de os trabalhadores que são afetados pela paralisação do governo, e que não podem ou não querem manter-se em funções, serem elegíveis para este género de ajuda, o número de pedidos de auxílio financeiro aumentou substancialmente, desde o início do período de crise e duplicou na última semana, atingindo mais de 10 mil pessoas.

Os que se mantêm em funções, mesmo não recebendo salário, não podem aceder a esta ajuda.

Contudo, os funcionários federais que recebam subsídios, terão de os devolver, logo que a paralisação terminar e voltem a ter os seus salários.

Esta semana, o Presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu que os cerca de 800 mil funcionários que estão sem receber salário há mais de três semanas terão direito a retroativos, de forma a não serem prejudicados ainda mais com a situação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.