Paquistão pede ajuda à ONU para aliviar tensões com a Índia

O Governo paquistanês pediu ajuda às Nações Unidas (ONU) para aliviar as tensões com a vizinha Índia, dias depois do atentado-suicida que matou pelo menos 41 soldados indianos na zona disputada de Caxemira.

Numa carta dirigida ao secretário-geral da ONU, António Guterres, o chefe da diplomacia paquistanesa, Shah Mahmood Qureshi, argumentou que "por razões políticas internas, a Índia deliberadamente aumentou a sua retórica hostil contra o Paquistão, criando um ambiente tenso".

Por sua vez, Nova Deli culpou Islamabad e alertou para uma "resposta de partir o maxilar".

Na segunda-feira, as autoridades elevaram para 41 o número de mortos num atentado suicida que ocorreu na quinta-feira passada na Caxemira indiana, tornando-se o mais mortífero ataque desde 2002.

Reivindicado pelo grupo islâmico JeM, o atentado-suicida foi perpetrado com uma carrinha carregada de explosivos detonada perto de uma coluna de 78 veículos transportando cerca de 2.500 membros da Central Reserve Police Force (CRPF), uma força paramilitar.

A região de Caxemira é reivindicada tanto pela Índia como pelo Paquistão desde o fim da colonização britânica, em 1947.

O total das forças indianas na parte controlada por Nova Deli é estimado em cerca de 500.000 efetivos.

Uma rebelião separatista mortífera destabiliza a Caxemira indiana desde 1989.

A Índia acusa o Paquistão de apoiar de forma dissimulada as infiltrações na sua parte do território e a própria revolta armada, o que Islamabad sempre negou.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.