Papa: Residentes e peregrinos creem que Medjugorje é uma continuação de Fátima

A comunidade religiosa de Medjugorje, no sul da Bósnia-Herzegovina, assim como vários residentes e peregrinos, acreditam que há uma ligação entre Fátima e as "aparições da Virgem Maria" que seis pessoas dizem ter há 36 anos nesse local.

Nos jardins da "Aldeia da Mãe", uma instituição de assistência social e de ensino infantil, o padre franciscano Dragan Rucic explicou à Lusa que os locais de "aparições" "são todos muito semelhantes" devido ao teor das mensagens marianas.

"Há parecenças entre todos estes lugares de aparições. São lugares de onde vem esta mensagem de penitência, de conversão, de uma maneira de viver mais intensamente o nosso caminho para Jesus Cristo", afirmou o padre que preside a instituição que também acolhe uma associação de ajuda aos pobres, idosos e doentes e outra de ajuda aos dependentes de drogas, álcool e jogos.

Tomislav Pervan, antigo pároco de Medjugorje, respondeu à Lusa, por escrito, que "todas as apariações marianas são semelhantes" porque "há sempre um apelo à conversão", seja em La Salette, em Lourdes ou em Fátima.

"Menos de 40 dias após o atentado ao papa, a 13 de maio de 1981, aconteceu a primeira aparição de Medjugorje, a 24 de junho de 1981, o dia da festa de São João Batista. Tudo o que foi iniciado em Fátima tem um ponto final em Medjugorje. Maria quis reunir o Oriente e o Ocidente em Medjugorje e os seus pedidos unem-se aqui", considerou o padre franciscano.

A freira Marie Emmanuelle Adam, que vive há cerca de oito anos em Medjugorje, é "apaixonada por Fátima" e costuma receber os peregrinos na capela da "Communauté des Béatitudes" ("Comunidade das Bem-Aventuranças"), onde lhes mostra uma fotografia dos três pastorinhos de Fátima.

"Comparamos Medjugorje a Fátima porque foi a própria Virgem que nas mensagens que deixou falou num único local de aparições e esse local é Fátima", afirmou a freira, folheando o livro "Mensagens de Maria em Medjugorje", editado pelo Centro de Informação da Paróquia.

Também o padre Carlos Macedo, que vai a Medjugorje regularmente com grupos de peregrinos portugueses, acredita na ligação entre Fátima e a localidade bósnia, citando a mesma mensagem que a freira belga.

"Na mensagem de 25 de agosto de 1991, ela diz: 'Vou terminar aquilo que comecei em Fátima'. É a única terra do mundo que ela fala", afirmou o padre português, explicando que em Portugal a Virgem prometera que "o seu imaculado coração ia trinfar".

Marinko Ivankovic, de 76 anos, afirmou à Lusa ter sido "testemunha dos primeiros dias de aparições", em junho de 1981, nos quais já se ouvia falar de Fátima, e a sua interpretação é que em Fátima "ela pediu para se rezar o rosário para a conversão da Rússia" e "agora, espera que o mundo inteiro se converta", apontando "o que se passa no mundo" como o recente atentado em Londres.

"Penso que foi ao terceiro dia que os "videntes" nos disseram o que a Virgem lhes tinha dito que o seu plano não se tinha realizado em Fátima e que ela veio aqui para terminar esse plano", afirmou o antigo mecânico, que há 36 anos foi o primeiro a informar o padre franciscano sobre as "aparições" a seis crianças e adolescentes.

Milona Von Habsburg, descendente da família imperial austro-húngara dos Habsburgos, está desde 1984 em Medjugorje, onde se converteu, e conhece Fátima de perto, considerando que entre o santuário português e o local bósnio "é a mesma mensagem" que "o senhor manda para ajudar este mundo que não está muito bem".

"Depois de virem aqui a Medjugorje, [os peregrinos] vão para Fátima porque querem conhecer Fátima porque ela falou de Fátima aqui também. É o único lugar do qual ela falou. Ela disse que o que começou com os segredos em Fátima quer realizar [em Medjugorje]. Ela quer novenas de sacrifícios aqui também para ajudar o seu coração imaculado a triunfar", afirmou, em português.

Patrick Latta e Nancy Latta trocaram Vancouver, no Canadá, por Medjugorje, há 24 anos, tendo vendido o que tinham para construir um castelo de estilo medieval nas imediações da localidade para serem "vizinhos da Virgem" e para acolher padres, freiras e peregrinos.

"Em Medjugorje, ela disse: Medjugorje é a continuação de Fátima. É por isso que nos sentimos muito próximos de Fátima porque é a mesma mãe. Sentimo-nos próximos de todos os santuários onde a Nossa Senhora esteve porque é a mesma mãe", descreveu Nancy Latta que também visitou o santuário português.

Davor Ljubic, proprietário de uma agência de viagens há 28 anos em Medjugorje, visitou Fátima "mais de 15 vezes" em trabalho, contando levar este ano um total de 1200 peregrinos ao santuário português e explicando que a 13 de maio vai haver uma missa, em Medjugorje, dedicada a Nossa Senhora de Fátima.

"A diferença fundamental com Fátima é que Medjugorje está viva porque os videntes estão vivos e nunca se viu fé como aqui", comentou o agente turístico que fez recentemente uma viagem na qual uma estátua de Nossa Senhora de Fátima foi "abençoada" em vários santuários até Medjugorje e "vai ser levada de igreja em igreja na arquidiocese de Sarajevo".

A vila de Medjugorje ficou mundialmente conhecida em 1981, com "aparições" marianas regulares a seis crianças nascidas nos arredores da localidade.

Na ocasião, Nossa Senhora ter-se-á apresentado como "rainha da paz" e, desde então, terá aparecido sucessivas vezes aos seis videntes, um fenómeno que se repete, pelo menos, todos os meses.

A hierarquia católica tem reagido com ceticismo ao fenómeno e chegou mesmo a afastar um dos principais sacerdotes associados ao caso. Nos últimos anos, Roma tem enviado missões para avaliar a legalidade canónica daquelas "aparições" mas, até agora, os resultados não têm sido conclusivos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?