Papa pede compromisso de oração e justiça às outras confissões cristãs

O papa pediu hoje às confissões cristãs um compromisso de oração e justiça diante de um mundo dilacerado pela "guerra, ódio, nacionalismo e divisão", no seu discurso à delegação ecuménica da Finlândia.

"Num mundo dilacerado pela guerra, pelo ódio, pelo nacionalismo e pela divisão, a oração comum e o compromisso com uma maior justiça não podem ser adiados, são omissões que não podemos permitir", declarou Francisco.

O papa lembrou que, nesta sexta-feira, começou a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que este ano se concentra no versículo bíblico "Tratem de ser verdadeiramente justos".

"Está no plural e lembra-nos que a justiça não pode ser feita sozinha: a justiça é solicitada e procurada em conjunto", disse.

O papa também considerou que o "testemunho comum de oração" entre os cristãos "dará frutos".

Para Francisco, que está muito empenhado em criar laços com outros cristãos, "o compromisso comum a favor do ecumenismo é um requisito essencial da fé que professamos, uma exigência que vem da nossa própria identidade como discípulos de Jesus".

"Como vários papas constantemente sublinhavam, este é um caminho desde o Concílio Vaticano II e isso é irreversível", acrescentou.

O papa considerou que "as questões teológicas e eclesiológicas", que mesmo longe da unidade total, "serão resolvidas durante esta viagem comum".

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.