Papa pede compromisso de oração e justiça às outras confissões cristãs

O papa pediu hoje às confissões cristãs um compromisso de oração e justiça diante de um mundo dilacerado pela "guerra, ódio, nacionalismo e divisão", no seu discurso à delegação ecuménica da Finlândia.

"Num mundo dilacerado pela guerra, pelo ódio, pelo nacionalismo e pela divisão, a oração comum e o compromisso com uma maior justiça não podem ser adiados, são omissões que não podemos permitir", declarou Francisco.

O papa lembrou que, nesta sexta-feira, começou a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que este ano se concentra no versículo bíblico "Tratem de ser verdadeiramente justos".

"Está no plural e lembra-nos que a justiça não pode ser feita sozinha: a justiça é solicitada e procurada em conjunto", disse.

O papa também considerou que o "testemunho comum de oração" entre os cristãos "dará frutos".

Para Francisco, que está muito empenhado em criar laços com outros cristãos, "o compromisso comum a favor do ecumenismo é um requisito essencial da fé que professamos, uma exigência que vem da nossa própria identidade como discípulos de Jesus".

"Como vários papas constantemente sublinhavam, este é um caminho desde o Concílio Vaticano II e isso é irreversível", acrescentou.

O papa considerou que "as questões teológicas e eclesiológicas", que mesmo longe da unidade total, "serão resolvidas durante esta viagem comum".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.