Pansy Ho e Fundação Henry Fok acordam controlo do império do jogo de Stanley Ho em Macau

A empresária Pansy Ho e a Fundação Henry Fok anunciaram hoje um acordo para garantir o controlo da Sociedade de Jogos de Macau (SJM) Holdings Ltd e da Sociedade de Turismo e Diversões de Macau (STDM), fundadas pelo magnata do jogo Stanley Ho.

A aliança foi anunciada pela empresa de Hong Kong Shun Tak Holdings Ltd, de Pansy Ho, filha mais velha de Stanley Ho, fundador da SJM Holdings e da STDM, e noticiada hoje pelo GGRAsia, um 'site' especializado em informação sobre casinos.

Com esta aliança, Pansy Ho e a Fundação Henry Fok passam a assegurar 53,012% das ações da STDM, de acordo com a informação prestada pela empresa.

A fundação possui uma participação de 26,576% na STDM, a Shun Tak controla 15,781%, enquanto o restante capital é garantido por interesses associados a Pansy Ho, que é copresidente e importante acionista da MGM China, empresa que também explora o jogo em Macau e nasce de uma parceria entre a multimilionária e a norte-americana MGM Resorts.

A STDM controla 54,11 por cento da SJM Holdings, de acordo com o seu último relatório anual do ano de 2018.

Segundo o GGRAsia, na nota refere-se ainda a intenção de ser apresentada uma proposta comum para a eleição de membros da direção da STDM, o que deve acontecer até 31 de março de 2019, e avançar para a nomeação do presidente e do diretor executivo da STDM.

Em causa está a luta pelo poder daquele que é o maior império do jogo em Macau, criado por Stanley Ho que, até ao final de 2001, beneficiou do facto de deter o monopólio da concessão dos casinos no território.

Em 2018, a irmã e parceira de negócios de Pansy Ho passou a ocupar a presidência da SJM Holdings, na qual também pontua a quarta mulher de Stanley Ho, Ângela Leong, diretora executiva, e importante acionista individual, mas que poderá ver reduzida no futuro a sua influência na gestão da empresa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.