Paços de Ferreira espera que remodelação de ETAR acabe com "calamidade ambiental"

A remodelação da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Paços de Ferreira por 5,1 milhões de euros, hoje adjudicada, é um "momento histórico", porque "vai permitir acabar com uma calamidade ambiental", considerou o presidente da câmara.

"Finalmente vamos pôr fim a esta calamidade e crime ambiental", afirmou o autarca de Paços de Ferreira, Humberto Brito (PS), acompanhado do presidente da Câmara de Paredes, Alexandre Almeida (PS).

Os dois autarcas socialistas promoveram hoje uma conferência de imprensa conjunta, na localidade de Lordelo, junto ao rio Ferreira, no concelho de Paredes, e contígua ao município de Paços de Ferreira.

O mau funcionamento da ETAR de Arreigada, Paços de Ferreira, em funcionamento há 27 anos, drenando efluentes para o rio Ferreira, prejudicava sobretudo as freguesias a jusante, nomeadamente Lordelo e Rebordosa, no norte do concelho de Paredes.

Autarcas das duas freguesias e população têm feito, ao longo dos anos, sucessivos alertas para o derrame de efluentes no rio, situação que sempre atribuíram à ETAR de Paços de Ferreira, poucos quilómetros a montante.

A empreitada hoje consignada vai permitir dotar a estação de tecnologias capazes de duplicar a sua capacidade, tratando os efluentes de 58.000 pessoas.

"Estamos a respeitar o ambiente e, acima de tudo, estamos a respeitar as pessoas", assinalou Humberto Brito, referindo-se sobretudo aos milhares de habitantes das duas freguesias do concelho vizinho que têm sido prejudicadas pelo mau funcionamento da ETAR de Paços de Ferreira.

Antes da conferência de imprensa, realizou-se junto à ETAR, em Arreigada, a cerimónia de consignação, na qual o presidente da câmara recordou o esforço do seu executivo que permitiu desbloquear um processo que estava parado há décadas por culpa, disse, dos sucessivos executivos de maioria PSD naquele concelho.

Humberto Brito agradeceu também o apoio do atual ministro do Ambiente, por ter contribuído para que a obra, no valor de 5,1 milhões de euros, pudesse ser uma realidade.

A intervenção hoje anunciada, comparticipada em 80% por fundos comunitários e com um prazo de execução de 30 meses, permitirá tratar cerca de 500 metros cúbicos de efluentes por hora e um volume médio de 10.000 metros cúbicos por dia, duplicando assim a capacidade do equipamento, segundo a empresa projetista.

O presidente da Câmara de Paredes agradeceu o esforço financeiro de cerca de um milhão de euros que Paços de Ferreira terá de fazer nesta empreitada, um investimento, reconheceu, que beneficiará principalmente a população de Lordelo e Rebordosa.

Alexandre Almeida assinalou que um problema com 27 anos vai ser agora possível resolver.

"Este é o início do fim para este problema", reforçou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.