"Pablo Picasso, Suite Vollard" é inaugurada hoje no Porto

Porto, 30 mai 2019 (Lusa) -- A exposição "Pablo Picasso. Suite Vollard" é inaugurada hoje no Palácio as Artes, no Porto, e vai mostrar 100 gravuras desenhadas pelo artista espanhol que representam o "prelúdio" da "Guernica", explicou a curadora da exposição.

Na coleção "Suite Vollard", que vai ficar patente no Porto até dia próximo dia 11 de setembro, o "público vai poder ver o prelúdio de 'Guernica'", a obra mais conhecida do artista Pablo Picasso, explicou hoje aos jornalistas a curadora da exposição Leyre Bozal Chamorro, da fundação Mapfre, entidade detentora da coleção que já foi exposta em Cascais pela Fundação D. Luís I, em 1997.

A exposição "Suite Vollard" é dividida em sete secções diferentes e arranca com a secção intitulada "Tema Livre", onde se podem ver 27 gravuras de temas diversos, mas cujo destaque foi para o desenho "Mulher Torreira" (1934), que a curadora da exposição salientou como uma obra com "misto de cubismo e de expressionismo" que traduz um "estilo Picasso".

Percorrendo a exposição, sonorizada com música que Picasso ouviria na altura da elaboração, designadamente flamenco, encontra-se a secção "O Atelier do escultor" com 46 gravuras e onde se pode encontrar o "conflito de Pablo Picasso" e a relação "escultor/pintor" e deste "com a modelo".

"A Batalha do Amor", "Rembrandt", "O Minotauro", "O Minotauro Cego" e "Ambroise Vollard" são as restantes secções incluídas na mostra.

A subida ao poder em Espanha de Franco era uma grande preocupação para Picasso e isso pode ver-se no desenho "Minotauro vencido" (1933), destacou também a curadora Leyre Bozal Chamorro.

"É importante termos conteúdo e termos atividades culturais" no Porto, acrescentou o presidente executivo da Taylor's, Adrian Bridge, frisando a importância da "oportunidade" de ter a "Suite Vollard" na cidade, porque vai permitir aos visitantes "fazer uma viagem" a uma década "complexa mundialmente" e "turbulenta", abarcando a altura da Guerra Civil espanhola (1936-39).

A "Suite Vollard" foi uma encomenda feita a Picasso pelo negociante de arte e editor Ambroise Vollard e o artista fez 100 gravuras entre 13 de setembro de 1930 e março de 1937.

A exposição surgiu "em 1939 em dois formatos diferentes, um grande (760 x 500 mm) em papel vitela assinado pelo artista com lápis vermelho ou preto, com 50 cópias por placa, e outro mais pequeno (445 x 340 mm), em papel vergê de Montval, com a marca d'água 'Vollard' ou 'Picasso' em 250 cópias".

Esta exposição vai ser a primeira de um "casamento" para os próximos "cinco anos" entre a Taylor's e a Santa Casa da Misericódia, referindo que estão a trabalhar em parceria para trazer em 2020 uma exposição sobre o escultor suíço Alberto Giacometti com fotografias do realizador e fotógrafo alemão Peter Lindbergh.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.